Topo

Esporte

Scott Coker rebate críticas à participação de Mirko 'Cro Crop' no Bellator 200

Ag. Fight

12/03/2018 13h29

Em 2015, quando competia pelo UFC, Mirko 'Cro Crop' foi suspenso pela USADA (agência antidoping americana) por dois anos após ser flagrado pelo uso GH (hormônio de crescimento). Na ocasião, o peso-pesado alegou que as injeções faziam parte do tratamento para uma lesão no ombro, o que não aliviou sua pena. No entanto, antes de receber a punição, o croata anunciou sua aposentadoria e depois se transferiu para eventos japoneses, onde retomou a carreira. Sem cumprir a pena propriamente, o atleta agora foi confirmado como reforço para o Bellator 200, evento marcado para maio, em Londres (Inglaterra).

Mesmo com a punição aplicada pela USADA - que tem uma parceria com o UFC -, Cro Crop atuou nos anos de 2016 e 2017 no torneio japonês Rizin. Por permanecer em atividade durante o período de suspensão, o croata não pode se apresentar nos EUA e, de acordo com os críticos, não poderia ser escalado para o Bellator - uma cobrança incoerente, de acordo com o presidente da organização. Em entrevista ao site 'MMA NYTT', Scott Coker questionou o porquê de o peso-pesado estar impossibilitado de ser competir na edição 200 do show, já que realizou cinco performances no Japão.

"Por que eles não foram atrás dele há dois anos atrás quando ele lutou no Rizin? Por que isso é uma questão? Isso está vindo à tona porque ele vai lutar no Bellator 200? Se você ia agir, você precisava agir há muito tempo. Quando agendamos com ele, não sabíamos que haveria problemas. Ele já estava lutando, então pensamos que ele já estava liberado. A USADA trabalha com o UFC, eles estão fazendo o trabalho deles. Bom para eles, façam isso. Só acho que o tempo que isso está sendo feito é um pouco questionável", defendeu-se o presidente do Bellator.

Para o evento em Londres, o croata foi escalado para enfrentar Roy Nelson pela segunda vez em sua carreira. No primeiro encontro entre os atletas, Cro Crop foi nocauteado pelo americano, enquanto os dois ainda atuavam pelo UFC. Em suas 50 atuações como profissional, o peso-pesado acumula 36 vitórias - sendo 27 por nocaute -, 11 derrotas, dois empates e um duelo sem resultado.

Mais Esporte