Topo

Esporte


Ex-UFC assina com o evento PFL em busca de prêmio de 1 milhão de dólares

Ag. Fight

13/03/2018 15h38

Veterano com 18 combates sob os holofotes do UFC, o meio-médio Rick Story (77 kg) abandonou o octógono após quase uma década dedicada ao Ultimate. Em entrevista concedida ao site 'MMA Fighting' durante o programa 'MMA Hour', Story anunciou que ingressará no torneio do Professional Fighters League (antigo World Series of Fighting), que concederá um prêmio de um milhão de dólares (cerca de R$ 3,2 milhões) ao vencedor.

"Eu só vou dizer que é algo que vale o meu tempo. Ainda por cima, com o formato que eles (PFL) têm - onde eu sou capaz de ganhar todo esse dinheiro apenas vencendo lutas - isso meio que atrai meus interesses. Eles se baseiam em desempenhos. Você vence, você ganha mais dinheiro. Você perde, você está fora. É direto e objetivo".

Longe do octógono desde agosto de 2016, quando foi derrotado por Donald Cerrone por nocaute técnico, Story aproveitou o tempo afastado para estudar melhores oportunidades. Sem chegar a um acordo de renovação com o maior show de lutas do planeta, o americano encontrou na nova casa uma grande oportunidade de garantir o maior salário de sua carreira.

"Já que as coisas não aconteceram do meu jeito (no combate contra Cerrone) e eu já estava afastado, eu quis esperar por uma oportunidade melhor para me disponibilizar outra vez e ela finalmente chegou. Era algo que eu precisava para continuar e agora estamos aqui", narrou.

No decorrer de sua carreira, Story conquistou vitórias sobre grandes nomes da categoria, tais como: o ex-campeão Johny Hendricks, Gunnar Nelson, Thiago 'Pitbull' e outros. Para ele, a questão monetária foi um fator decisivo na hora de tomar a decisão de migrar para outra empresa uma vez que - de acordo com o lutador - ele se sentia injustiçado com o tratamento que outros combatentes recebiam.

"Eu não acho que foi muito justo, só pelo fato de que alguns dos caras que eu derrotei estarem ganhando praticamente o dobro do que eu ganhava. Isso me deixou com um gosto ruim na boca. Eu deixei minhas opções em aberto e quando o PFL me ofereceu a oportunidade, eu aceitei na hora. Sem arrependimentos. Não tenho ressentimentos nem nada. Eu preciso fazer o que for melhor para mim e não para os outros. Só preciso fazer o que for do meu maior interesse", garantiu.

O formato de torneio - já incorporado por eventos como Pride (extinta liga japonesa) e o Bellator - consiste de uma temporada semelhante ao estilo 'mata-mata' no futebol. Ao fim do período, os finalistas se enfrentarão pelo cinturão da categoria e pelo prêmio em dinheiro. De acordo com a agenda do PFL, o campeonato terá início no próximo mês de junho.

Mais Esporte