Topo

Esporte


Lutador do UFC narra confusão com fã irlandês após vitória de McGregor sobre Aldo

Ag. Fight

13/03/2018 08h00

Um inesperado encontro com um irlandês em Las Vegas (EUA) proporcionou uma história engraçada para o peso-leve (70 kg) do UFC Michael Chiesa após sua vitória sobre Jim Miller em dezembro de 2015. Tudo começou após o triunfo do norte-americano no UFC Fight Night 80, apenas dois dias antes do UFC 194, evento em que Conor McGregor sagrou-se campeão peso-pena (66 kg) ao nocautear José Aldo em apenas 13 segundos.

Conforme Chiesa revelou durante entrevista concedida ao site 'MMA Junkie', a confusão se iniciou quando um fã irlandês aparentemente bêbado chamou atenção dele e de seus amigos ao cantarolar a canção 'Hotline Bling' sentado no chão do cassino MGM Grand.

"O fim de semana em que eu enfrentei Jim Miller foi aquele fim de semana em que aconteceram três eventos consecutivos. Nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, quando Conor McGregor lutou com José Aldo. Eu derrotei Jim Miller e decidi ficar em Las Vegas por mais alguns dias. Eu estava com Julianna Peña, Layzie The Savage (apelido do fotógrafo Michael Mardones) e o irmão dele", narrou.

"Isso aconteceu depois da derrota de Aldo, depois que Conor o nocauteou. Nós estávamos caminhando pelo MGM Grand (cassino onde ocorreu o evento) e vimos um irlandês muito bêbado sentado no chão, cantando 'Hotline Bling', a música do Drake. Ele estava cantando de um jeito muito engraçado, foi hilário. Nós quatro passamos por ele e começos a rir e nós começamos a cantar como ele, aquilo se tornou uma piada entre nós".

No entanto, o caso se tornou mais sério quando o irlandês os teria surpreendido ao bater à porta do quarto do hotel onde estavam hospedados. Ainda embriagado e procurando briga, o encrenqueiro foi reconhecido rapidamente por Chiesa, que garantiu ter ficado surpreso com o fato do fã ter descoberto em qual quarto eles estavam.

"Nós subimos até o nosso quarto do hotel. Nós caminhamos até o quarto fazendo piadas sobre isso por todo o caminho. Nós chegamos até o quarto, se passaram uns dez minutos, e alguém começou a bater à nossa porta. Nós nos assustamos, ninguém sabia que aquele era o quarto de Mike e as batidas começaram a ficar cada vez mais altas, até que Layzie disse: 'Cara, é aquele irlandês!'. Instantaneamente, dentro da minha cabeça, eu me perguntei como esse cara nos achou".

Ainda de acordo com o lutador, o desentendimento só se resolveu quando o irlandês reconheceu Michael Chiesa como um dos contratados do UFC. Mas não tem sem antes tentar agredi-lo - estratégia que falhou rapidamente diante do treinado (e sóbrio) oponente.

"Quando eu olho pelo olho mágico, esse cara está de costas para a porta, chutando-a como uma mula. Então eu abri a porta e o cara desferiu um soco contra mim. Eu me esquivo e assim como Neo, do filme 'Matrix', o acerto no peito com a palma da mão. Eu não o agredi, foi apenas uma reação. Ele voou até o outro lado do corredor, bateu contra a parede, caiu no chão e se levantou avançando para cima de mim e parou. Então ele diz: 'Ah, meu Deus. Me desculpe. Por favor, não me mate'. Eu só mandei que ele caísse fora dali, eu ainda estava muito pilhado por ter lutado dois dias antes. Ele continuava se desculpando e não ia embora, até que eu disse: 'Se você sente muito, então dê o fora daqui'. Foi bem engraçado".

Michael Chiesa perdeu seu último combate ao ser finalizado por Kevin Lee em junho de 2017, no combate principal do UFC Fight Night 112. Na ocasião, ele não bateu e o árbitro Mario Yamasaki interrompeu a disputa, sendo duramente criticado pelos atletas e por Dana White.

Mais Esporte