Topo

MMA

A. Nunes recua e descarta luta com Cyborg: "Minha divisão está crescendo"

Perry Nelson/USA TODAY Sports
Brasileira Amanda Nunes, à esquerda, enfrenta Valentina Shevchenko pelo UFC 215 Imagem: Perry Nelson/USA TODAY Sports

Ag. Fight

14/03/2018 10h46

Apesar de muitos rumores sobre uma possível superluta entre a atual campeã peso-galo feminino (61 kg) do Ultimate, Amanda Nunes, e a atual campeã peso-pena feminino (66 kg), Cris Cyborg, para o UFC 224, no próximo dia 12 de maio na cidade do Rio de Janeiro, o combate acabou não saindo do papel.

Em vez disso, Amanda Nunes foi colocada para defender seu cinturão contra a norte-americana Raquel Pennington, em um casamento de luta que esfriou as possibilidades do confronto entre campeãs. Segundo a própria lutadora, que antes queria e até forçava o encontro com a compatriota, a sua categoria começou a florescer com desafiantes demais para abandoná-la. Portanto, houve uma mudança de pensamento.

"Quando enviei uma mensagem para Dana White dizendo que eu queria a luta (contra Cris), não tinha ninguém na minha divisão", declarou declarou em entrevista ao podcast 'UFC Unfiltered'. "Eu nem sabia se eu iria lutar em breve. Eu estava preocupada com ter de esperar anos, porque eu já estive nessa posição antes, esperando muito tempo por uma luta. Eu não quero passar por isso de novo, de ficar esperando, esperando, esperando".

"Mas agora nós temos Rocky (Pennington), e nós temos a brasileira Ketlen (Vieira) e eu sinto que a minha divisão está começando a crescer. Se você prestar atenção, a divisão vai ficar fantástica e agora eu tenho duas desafiantes. Eu tenho Rocky e Ketlen".

Inclusive, Amanda Nunes diz fazer questão de enfrentar a brasileira Ketlen Vieira após o confronto contra Raquel Pennington, pois a compatriota venceu a única lutadora a bater a brasileira dentro do octógono: Cat Zingano.

"Rocky é meu próximo passo e depois quero ver Ketlen, com certeza. Eu acho que ela merece. Ela venceu a garota que me venceu. Eu acho que ela está pronta e eu estou animada para enfrentá-la".

Com duas futuras desafiantes em mente, Amanda Nunes não consegue considerar um embate contra Cris Cyborg em um futuro próximo. No entanto, a brasileira não eliminou chances da superluta acontecer a longo prazo.

"Existem muitos fatores envolvidos nisso. O meu contrato e o dela, eles precisam fazer sentido para nós duas para que possamos fazer isso. Não é nada pessoal contra a Cyborg. Quando você se torna uma lutadora profissional, você quer ser a melhor e vencer as melhores".

"Não é nada pessoal, mas eu acho que existem muitos fatores envolvidos e eu não quero esperar. Quero continuar lutando, não quero negociar. Agora, a minha divisão tem uma nova desafiante e eu estou animada com isso. O que acontecerá depois, nós veremos".

Amanda Nunes venceu seus últimos seis combates e defendeu seu cinturão duas vezes, contra a ex-campeã Ronda Rousey e numa revanche contra Valentina Shevchenko em setembro 2017. Sua última derrota ocorreu em setembro de 2014, quando Cat Zingano a superou por nocaute técnico.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!