Topo

Esporte

Pedro Munhoz contesta decisão contra John Dodson e aceita revanche: "É um bunda-mole"

Lucas Rezende, de Belém (PA)

Ag. Fight

16/03/2018 12h30

O primeiro trimestre de 2018 se provou um início de ano complicado para o peso-galo (61 kg) Pedro Munhoz. Primeiro, um incidente com o corte de peso culminou no cancelamento do seu combate contra John Dodson em fevereiro. Depois,  quando o combate foi remarcado para o mês seguinte, Munhoz foi superado pelo oponente em uma decisão dividida contestada.

O confronto válido pelo UFC 222 foi apenas mais um de outros cinco decididos por decisão dividida naquela noite. De acordo com Munhoz, esses resultados ilustram uma falta de especialização por parte dos juízes laterais para analisar uma luta de MMA. Dentre os jurados, Pedro destacou negativamente a atuação da americana Adalaide Byrd.

"Foi uma luta totalmente contestada por mim e 90% dos repórteres. Cinco lutas foram contestadas nas papeletas, todas pontuadas por essa mesma pessoa (Byrd). Ela já foi contestada no boxe antes e passou um tempo afastada por causa de uma polêmica. Eu olhei o Twitter dela e tudo que ela compartilha é sobre boxe. Eu não sei qual a capacidade dessas pessoas de analisar uma luta de MMA, um esporte totalmente diferente. Boxe, muay thai, wrestling, agressividade, controle de cage, tentativas de finalização, quão capacitados eles são para analisar e dar uma nota? Comecei a analisar a vida dela. Do que ela faz parte na comunidade do MMA? Eu vi que é zero. É a mesma coisa que um juiz de vôlei apitar um jogo de futebol", contestou o brasileiro em entrevista exclusiva à Ag. Fight.

Apesar da derrota ter interrompido uma sequência de quatro vitórias consecutivas, Pedro não acredita que o resultado polêmico irá prejudicá-lo dentro da organização. Inclusive, o lutador declarou que está pronto para retornar em breve contra qualquer oponente.

"Nunca escolhi adversário, luto contra qualquer um. Acho que a derrota não me afetou negativamente. Continuo o número 10 da categoria. O UFC sabe que sou um lutador que traz lutas emocionantes. Foi apenas uma derrota no papel por causa de uma palhaçada. Três das minhas últimas quatro vitórias foram por finalização e isso não é apagado da noite para o dia", disse.

Ao considerar seus próximos confrontos, o brasileiro não descartou uma possível revanche contra Dodson. No entanto, Pedro alegou preferir reencontrar o americano em um duelo de cinco assaltos para eliminar qualquer tipo de dúvida sobre o resultado.

"Não negaria (a revanche), como nunca neguei nenhuma luta. Em uma luta de cinco rounds a gente deixaria uma nota visível para os juízes. Já sabemos que o Dodson é bunda-mole e não vai cair para dentro. Nós poderíamos fazer mais estrago. No segundo round deu para ver que ele abriu o bico. Ele ficava olhando para o tempo. A gente diminuiria esse risco de uma vitória por pontos ou alguma polêmica nas notas. Eu acharia uma boa, uma revanche de cinco rounds", analisou Munhoz.

Antes ser superado por John Dodson, Pedro Munhoz vinha de vitórias sobre Russell Doane, Justin Scoggins, Damian Stasiak e Rob Font. Em três delas, o brasileiro aplicou sua finalização mais efetiva para vencer: a guilhotina. De seus nove triunfos por submissão, seis foram com este estrangulamento.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte