Topo

Esporte


'Do Bronx' pede nova chance no peso-pena: "Ainda não me viram 100% no UFC"

Lucas Rezende, em Belém (PA)

Ag. Fight

22/03/2018 13h09

Aos 28 anos de idade, o brasileiro Charles 'Do Bronx' Oliveira já é um veterano do UFC com 19 combates no octógono mais famoso do mundo em quase oito de atividades. Mais recentemente, no entanto, o paulista foi forçado a abandonar o peso-pena (66 kg) - categoria onde diz se sentir mais confortável - após não bater o peso em quatro oportunidades diferentes. Com uma vitória e uma derrota em sua volta ao peso-leve (70 kg), Charles deixa claro que ainda espera por uma nova chance na divisão de baixo.

Em entrevista exclusiva à Ag Fight, 'Do Bronx' explicou que as negociações para retornar ao peso-pena são uma batalha constante com o UFC. De acordo com o lutador, permanecer na categoria dos leves é prejudicial à sua carreira devido à grande diferença de força entre ele e um peso-leve padrão. Para exemplificar, Charles falou de sua última derrota, contra o americano Paul Felder em dezembro de 2017.

"Estou nessa guerra com o UFC juntamente com meu empresário. Quero muito voltar a lutar nos 66 kg. Tive que subir para 70, mas a categoria não é a que eu quero. Ganhei contra o Will Brooks e pedi para descer. Lutei agora contra o Paul Felder e acabei perdendo. Nessa última luta, a diferença foi na força, ele é bem mais forte do que eu. Esse é o motivo que eu quero descer para 66 kg. É onde me sinto bem", declarou Charles.

A atual fase também não é das melhores para o paulista, que foi derrotado em quatro das suas seis últimas lutas. A situação, no entanto, não parece apavorar Charles. Por ser um lutador ativo e que quase sempre define seus combates, o faixa-preta de jiu-jitsu afirmou não ter medo de ser demitido e reforçou que suas derrotas foram sempre para oponentes duros e valorizados dentro da organização.

"Nunca tive medo de ser mandado embora. Os caras que são mandados embora são os que lutam mal ou que não vendem bem. Independentemente de ganhar ou perder, sempre luto andando para frente e dando show. As derrotas que eu tenho não foram para nenhum 'zé-mané'. Sempre foram para ex-campeões ou caras que são muito duros. Não tenho medo de nenhum. Graças a Deus a gente até renovou o contrato. Cheguei no UFC para ficar, demissão é uma coisa que nem passa pela minha cabeça", disse.

Com aparente esperança de conseguir retornar à categoria onde se sente mais à vontade, Charles finalizou afirmando que ainda tem muito o que mostrar dentro do UFC mesmo depois de 19 confrontos. De acordo com o paulista, o seu melhor ainda está por vir e até mesmo uma chance de disputar cinturão é cogitada para um futuro não tão distante.

"Falo isso para os meus alunos e para todos que treinam comigo. Ainda não viram o Charles 100% dentro do UFC. Quero muito voltar para 66 kg. Tenho certeza que se conseguir voltar, as pessoas vão se surpreender com o novo Charles. Estou evoluindo e crescendo cada vez mais. Nesse ano de 2018, posso vencer uma, duas ou três lutas e acabar me credenciando para uma disputa de cinturão", arriscou.

Em seus últimos combates, Charles Oliveira foi superado por Paul Felder, Ricardo Lamas, Anthony Pettis e Max Holloway, sempre por nocaute ou finalização. As vitórias mais recentes - sobre Will Brooks e Myles Jury - ambas foram por submissão. O brasileiro está empatado em segundo lugar com Nate Diaz e Demian Maia pelo maior número de finalizações na história do UFC, com nove. O primeiro lugar é de Royce Gracie, com 11.

Mais Esporte