Topo

MMA

Antônio "Pezão" planeja aposentadoria em 2 anos e revela planos para futuro

Bradley Kanaris/Getty Images
Imagem: Bradley Kanaris/Getty Images

Lucas Rezende, de Belém (PA)

Ag. Fight

27/03/2018 08h00

Aos 38 anos de idade, o peso-pesado Antônio "Pezão" Silva atravessa o pior momento de sua extensa carreira no MMA. Após a derrota para o russo Vitaly Minakov em junho de 2017, o brasileiro passou por uma cirurgia no joelho para corrigir um ligamento rompido e poderá voltar à ativa em breve. No entanto, com o nascimento do terceiro filho a caminho e os 40 anos de idade se aproximando, o brasiliense também já considera aposentadoria e estuda planos para o futuro depois de pendurar as luvas.

Em entrevista à reportagem da Ag Fight, Pezão declarou que deseja se aposentar em no máximo dois anos e detalhou seus planos de abrir uma academia de jiu-jitsu infantil e para lutadores amadores no estado americano da Flórida, onde mora com a família. Sem intenções de retornar ao Brasil, o lutador discorreu sobre a vontade de vestir o quimono e repassar os conhecimentos da arte suave para a próxima geração.

"Uma coisa que ninguém quer pensar é em aposentadoria, mas faz parte da vida de um atleta. Eu ainda penso em lutar por mais dois anos e depois desse tempo ainda quero continuar na arte marcial. Quero continuar fazendo o que eu amo. Quero abrir uma academia de jiu-jitsu, sempre tive muita vontade e desejo de trabalhar com criança. Adoro ensinar e sentir aquela energia boa. São pessoas que não tem maldade. Claro que também quero trabalhar com adultos, mas apenas amadores. Não quero treinar ninguém para MMA profissional. No futuro, conforme as coisas forem acontecendo e por ser algo que está dentro de mim, pode ser que eu continue como treinador. Mas agora só penso em vestir meu quimono e minha faixa preta e dar a minha aula de jiu-jitsu", contou Pezão.

Sob contrato com o evento russo 'Fight Nights Global', Antônio explicou que deve voltar a lutar somente no fim do ano, uma vez que precisa de algum tempo para retomar a forma física e também para adaptar o joelho operado às condições de combate. Entretanto, o regresso pode acontecer antes do esperado já que Pezão revelou que negocia para atuar em outras organizações.

"Continuo lá na Rússia. Assinei um contrato de quatro lutas. Creio que devo estar voltando em novembro. Eles me ligaram para fazer uma luta em um evento que vai ter no Brasil, acho que no mês de abril. Mas como fiz cirurgia no joelho e no menisco - porque rompi o ligamento lateral - são seis meses que tenho que ficar parado. Vou completar os seis meses agora no dia 7 de maio. Vou precisar de um período para voltar à minha forma física e pegar confiança no joelho novamente. Já me ligaram de outras companhias, querendo que eu lute para o mês de agosto e nós estamos conversando para ver se dá certo. Meu contrato me permite lutar em outro lugar sem problema nenhum", explicou.

Antônio venceu apenas um de seus últimos dez combates, perdendo oito deles e empatando o outro. E mesmo que sete dessas derrotas tenham ocorrido por nocaute, o brasileiro garante que isso não o abala. De acordo com Pezão, a trajetória de todos os lutadores é feita de momentos bons e ruins e o peso-pesado projeta 2018 como seu ano de superação.

"Tive grandes momentos e agora venho passando por um momento difícil, mas tenho certeza que vou dar uma recuperada. Meu 2018 está sendo muito abençoado. Deus já me deu um filho, fiz minha cirurgia e estou me recuperando muito bem. Então acredito que 2018 é o ano de dar a volta por cima", concluiu Pezão.

Lutador profissional desde 2005, Pezão passou pelas maiores eventos de MMA do mundo como UFC, Strikeforce (liga incorporada pelo Ultimate) e Sengoku (extinta liga japonesa). Nesta trajetória, o brasileiro obteve vitórias sobre alguns dos maiores nomes do peso-pesado, dentre eles: Fedor Emelianenko, Alistair Overeem e Andrei Arlovski.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!