Topo

Esporte

Yoel repreende críticas a McGregor e compara revanche com Whittaker a clássico do boxe

Ag. Fight

09/04/2018 11h43

Peso-médio (84 kg) do UFC, Yoel Romero foi um dos poucos lutadores a não manifestar algum tipo de repreensão após Conor McGregor atacar o ônibus do UFC 223 na última quinta-feira (7). Mesmo após o ex-campeão peso-leve (70 kg) e peso-pena (66 kg) machucar dois lutadores e ir parar na cadeia, o cubano preferiu não recriminar o irlandês ainda mais. Religioso, o 'Soldado de Deus' afirmou que o momento é de ajudar o 'Notorious'.

Em entrevista para o portal 'MMA Junkie', Romero alegou que 'pisar' em cima de McGregor neste momento vai contra aquilo em que ele acredita. O peso-médio ainda afirmou que não apenas os lutadores, mas todas as pessoas precisam se ajudar e se unir para criar um mundo melhor.

"É minha opinião. Sou um homem de Deus. Eu tento pensar como Deus. Eu digo que nós precisamos trabalhar juntos e ajudar os outros. Na situação de McGregor, por quê isso? (Romero fez um gesto de pisar no chão). Por que? Dê a mão. A coisa mais importante é que Conor não faça isso de novo. Nós precisamos que o mundo, não apenas os atletas, trabalhem juntos. Esse é um mundo melhor. Essa é a minha opinião", explicou o cubano.

De revanche marcada contra o atual campeão da categoria Robert Whittaker para o UFC 225 no próximo dia 9 de junho, Romero foi derrotado pelo australiano por decisão unânime em julho de 2017. Porém, o cubano fez uso de uma das mais clássicas desforras do mundo do boxe para exemplificar que o segundo encontro com 'The Reaper' não será como o primeiro.

"Eu acho que você já viu a revanche entre Muhammad Ali e Joe Frazier, certo? É uma luta incrível, não? Isso é a mesma coisa. Acredite em mim, é a mesma coisa. Eu estou treinando duro porque preciso fazer essa mudança na história. É isso", concluiu Romero.

Em março de 1971, Joe Frazier chocou o planeta ao se tornar o homem a tirar a invencibilidade de Muhammad Ali ao vencê-lo por decisão unânime. Entretanto, o rival devolveu a derrota em janeiro de 1974 quando ganhou a revanche também por pontos. Em outubro de 1975, Ali ainda viria a sacramentar a trilogia, dessa vez vencendo por nocaute.

 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte