Topo

MMA

Brasileiro conta como prisão de ventre atrapalhou corte de peso no UFC

Rigel Salazar/Ag Fight
Gilbert Durinho comemora vitória por Lukasz Sajewski nos leves Imagem: Rigel Salazar/Ag Fight

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

17/04/2018 08h00

Se no último sábado o semblante de Gilbert "Durinho" era de alegria após nocautear Dan Moret no UFC On FOX 29, evento realizado em Glendale (EUA), o mesmo não se pode dizer da pesagem que aconteceu no dia anterior. Após sofrer com o corte de peso, o brasileiro precisou de uma hora além do limite da pesagem oficial para conseguir vencer a balança e confirmar o combate. E o motivo que fez com que o peso-leve (70 kg) quase ficasse de fora do show é, no mínimo, curioso.

Durante uma conversa com a reportagem da Ag. Fight, Durinho revelou que somente depois de bater o peso e começar o processo de reidratação que ele percebeu o que havia dificultado tanto o seu corte de peso. E, por incrível que pareça, tudo não passou de uma forte prisão de ventre que fez com que o atleta continuasse 'pesado'.

"Vou ser bem sincero. Eu cheguei lá leve, muito bem, fiz tudo certinho e ficou sobrando um pound que estava difícil de perder. Fiz muita sauna e banheira e não estava entendendo porque estava demorando para perder. Sei que sou um cara grande para a categoria, mas o problema eu só fui saber depois que eu reidratei. Quando eu comecei a reidratar deu uma vontade de ir ao banheiro... (risos). Quando eu fui ao banheiro, tinha um cocozão dentro de mim que estava segurando meu peso. Percebi que não tinha ido ao banheiro na quarta e nem na quinta e no meio disso comecei o corte de peso para terminar na sexta. Então, tive uma prisão de ventre e fiquei desde quarta sem ir ao banheiro. Ficou um 'tijolo' ali (risos) que me custou uma hora a mais", contou aos risos enquanto relembrava da situação.

No entanto, esta é segunda vez seguida que Durinho apresenta problemas com o corte de peso. Em fevereiro passado, o atleta foi retirado do duelo contra Olivier Aubin-Mercier pois, no entendimento da Comissão Atlética responsável por chancelar aquele evento, o brasileiro encontrava-se pesado demais para sua categoria na semana da luta. Por conta dos seguidos episódios, o peso-leve afirmou que espera maior rigor com ele nos próximos eventos e que, em função disso, já está planejando evitar ganhar muito peso durante o período sem camp.

"Acho que vão ficar mais em cima de mim, sim. Por isso, vou chegar mais leve. O que vou fazer a partir de agora é não deixar meu peso subir muito. Já estou controlando desde agora. Essa semana farei fisioterapia e descansarei com a família para semana que vem já estar de voltar aos treinos e pensando na próxima luta. Se eu estiver treinando eu ativo eu consigo não deixar o peso subir. O meu problema é fora do camp, ali é onde meu peso sobe muito", prometeu.

Com uma boa atuação diante de Moret, Durinho alcançou a segunda vitória seguida e, mais uma vez, através de um nocaute. Na opinião do brasileiro, sua significativa melhora no seu jogo em pé o coloca como um dos atletas mais perigosos da divisão. Afinal de contas, força e jiu-jitsu o atleta, de fato, tem de sobra na categoria.

"Acho que eu tive uma boa performance. Conseguir o nocaute da maneira que foi mostra toda a minha evolução e meu treinamento. Venho trabalhando muito de tudo. Continuo trabalhando muito wrestling e jiu-jitsu, mas o foco era melhorar justamente o boxe e o kickboxing. Então, venho mostrando que sou cada vez mais um lutador completo. Tenho um bom gás, sou grande e forte para a categoria, tenho um bom jiu-jitsu e tenho uma mão direita que, se entrar, pode nocautear qualquer um. Então acho que isso já me coloca de volta no jogo, me coloca como um dos tops da categoria", apontou.

Tricampeão mundial de jiu-jitsu, Durinho migrou para o MMA em 2012 e, pouco mais de dois anos depois, assinou contrato com o Ultimate. Aos 31 anos de idade, o brasileiro coleciona na carreira um cartel com 13 vitórias e apenas duas derrotas.