Topo

Esporte

Dvalishvili promete apelar contra derrota no UFC e pede por revanche

Ag. Fight

25/04/2018 16h26

Pelo visto, a polêmica luta entre Merab Dvalishvili e Ricky Simon, realizada no UFC Atlantic City, no sábado (21), está longe de acabar. O georgiano, que vencia o duelo, foi pego numa guilhotina no minuto final da luta, resistiu a bater em desistência, mas foi declarado inconsciente ao soar do gongo. Em entrevista ao programa 'MMA Hour', Dvalishvili prometeu entrar com um recurso na Comissão Atlética de New Jersey e afirmou que lhe foi prometida uma revanche.

Segundo o representante da academia Serra-Longo, ele mesmo se colocou numa situação difícil. Merab afirmou que, ao tentar uma queda para garantir a vitória no round, acabou batendo com a cabeça e o ombro no chão, o que facilitou para que Simon encaixasse a guilhotina. Ainda assim, Dvalishvili disse ter mantido a calma. "Eu sabia que só tinha de esperar um minuto e, quando o tempo acabasse, eu teria vencido. E foi o que eu fiz. Mostrei ao juiz que estava bem. Estava movimentando meus pés. E quando o juiz tentou me tocar e pediu para que eu mostrasse minhas mãos, eu o fiz. Eu não apaguei em nenhum momento", declarou.

"O juiz falou: 'Ele apagou'. Eu disse: 'Não, eu estou bem. Do que você está falando?' Tentei levantar e, assim que comecei a me levantar, os médicos chegaram e mandaram eu ficar no chão. Claro, a luta havia acabado. Eu sabia que tinha vencido, confiei nos médicos e permaneci no chão. Alguns segundos depois, eu pedi novamente para levantar. E eles: 'Não, não, fique aí'", completou.

Durante um minuto inteiro, Merab ficou preso na guilhotina do adversário. Enquanto o tempo passava, ele sacudia as pernas, como se pedalasse. De acordo com o lutador, tratava-se de uma tentativa desesperada de mostrar que estava consciente. "As pessoas me perguntam - torcedores, meus amigos, todos. Eu não sei responder sobre o porquê de eles terem julgado daquela forma. A luta havia acabado. Se eu tivesse batido antes de a luta acabar, mesmo em 4min59s, ok, perdi. Concordaria. Se eu tivesse apagado, se não estou ativo, se não mostrei ao juiz que estava me movimentando, se tivesse apagado ou algo do tipo, eu entenderia. Mas eu não parei em nenhum momento. Mostrei a todo mundo que eu estava ativo. A luta acabou e eu fiquei por ali. É isso. eu estava respirando. Eu mereço um segundo para respirar, certo?", questionou.

Apesar de discordar da decisão do juiz Liam Kerrigan, Dvalishvili agradeceu ao UFC pelo prêmio de US$ 50 mil (o equivalente a R$ 174 mil) pelo prêmio de luta da noite. Além disso, afirmou que recebeu de Sean Shelby, matchmaker do Ultimate, a promessa de uma nova luta contra Simon. "Isso é maior do que uma vitória. Todos acreditam e mim e me respeitam, e isso é maior do que ter vencido. Por isso estou feliz. Só quero seguir em frente. Mas vou ficar feliz se me derem uma revanche. Além disso, Shelby me disse que vai me dar uma revanche, o que seria ótimo para mim. Eu estou pronto. Ele lamentou pelo acontecido e disse que vai tentar viabilizar a luta novamente. Realmente agradeço a ele e ao UFC pela oportunidade", afirmou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte