Topo

MMA

Carregada pelo técnico após vencer no UFC Rio, Amanda Nunes tem lesão no pé

 Buda Mendes/Zuffa LLC/Getty Images
Amanda Nunes não deu chances para a americana Raquel Pennington no UFC 224 Imagem: Buda Mendes/Zuffa LLC/Getty Images

Felipe Castello Branco e Lais Rechenioti

Ag. Fight, do Rio de Janeiro

13/05/2018 14h09

Amanda Nunes está "voando". No último sábado (12), a Leoa encarou americana Raquel Pennington no UFC 224, evento realizado no Rio de Janeiro, e com uma belíssima atuação nocauteou a rival e defendeu o seu cinturão peso-galo (61 kg) pela terceira vez consecutiva. 

No entanto, engana-se quem pensa que a noite foi apenas de alegria para a campeã. Lesionada durante o combate, a brasileira saiu do octógono carregada pelo treinador. Em função disso, a atleta prometeu dar atenção especial à sua contusão.

Durante uma conversa com jornalistas após o evento, Amanda contou que voltou a lesionar o pé durante o duelo com Raquel. De acordo com a brasileira, trata-se de uma contusão antiga que piorou drasticamente após os inúmeros chutes aplicados no combate. Agora, a Leoa disse que só voltará a subir no ringue quando estiver totalmente recuperada.

"Na verdade, eu já tenho essa lesão desde a minha última luta. Eu pensei que estava tudo bem, mas eu machuquei de novo no mesmo lugar. Então, darei uma atenção mais séria para isso agora porque isso está me atrapalhando. Vou procurar um especialista para estar bem para a próximo luta. Eu chutei tanto que não tenho certeza, mas acho que a lesão aconteceu no decorrer da luta", afirmou.

Ao ficar sabendo que sua adversária chegou a pedir para o córner jogar a toalha após quebrar o nariz, Amanda lamentou a conduta do treinador de Raquel que se recusou a deixar sua atleta desistir da luta.

"Triste, a Nina me falou e eu não estava nem sabendo disso. É triste porque isso poderia ser evitado. Ela foi para o hospital e deve ser um lesão grave. Já pedi para a Nina mandar uma mensagem para ela e avisar que estou aqui para o que ela precisar. Se ela não estava em condições de continuar, o seu treinador tinha que ter jogado a toalha, com certeza. Se fosse comigo, eu não acho que os meus treinadores me deixariam passar por essa situação".

Com o resultado positivo diante de Raquel, Amanda alcançou a sétima vitória seguida e já não perde uma luta desde 2014, quando foi nocauteada por Cat Zingano. Aos 29 anos de idade, a Leoa coleciona na carreira um cartel com 16 triunfos e quatro reveses.