Topo

MMA

Cláudia Gadelha afirma que deixou Brasil para não ser tachada de "traíra"

Buda Mendes/Getty Images
Lutadora brasileira Claudia Gadelha Imagem: Buda Mendes/Getty Images

Felipe Paranhos, em Salvador (BA)

Ag. Fight

07/06/2018 08h00

A enorme estrutura do UFC Performance Institute, em Las Vegas (EUA), se tornou a segunda casa de Cláudia Gadelha. A ex-desafiante do peso-palha (52 kg) se mudou para os Estados Unidos em 2017 e, depois de uma temporada em Albuquerque, no Novo México, estabeleceu-se na cidade-sede do Ultimate. Segundo declarou a brasileira em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, a decisão de se mudar para outro país foi resultado de uma mudança de mentalidade - e da discordância em relação aos seus antigos treinadores.

No Brasil, Gadelha treinava na academia Nova União, comandada por 'Dedé' Pederneiras, no Rio de Janeiro. Sem fazer menções diretas aos seus técnicos, ela contou que percebeu a necessidade de atualizar conceitos e modificar os treinamentos, mas suas ideias não foram bem recebidas.

"Comecei a ver que eu poderia fazer várias outras coisas para melhorar como atleta, e eu tentava conversar com os meus treinadores, mas nada mudava. Eu sentia que o MMA estava entrando em uma nova era, que o esporte estava evoluindo e que eu precisava fazer coisas diferentes para evoluir junto com o esporte, mas as pessoas que estavam ao meu redor não pensavam como eu. Então, decidi procurar outros treinadores e fazer coisas diferentes para conseguir evoluir junto com o esporte. Cresci dentro das artes marciais, cresci dentro do jiu-jitsu tradicional, aprendi a respeitar meus treinadores, meus professores, mas no Brasil infelizmente a gente é visto como traíra se sai da equipe. É visto como alguém que está traindo a sua equipe que ficou com você tantos anos", declarou.

Claudinha afirmou também que não buscou outra academia no Brasil justamente por causa do risco de receber o rótulo de traidora. Foi então que conheceu Albuquerque, onde passou pela academia Luttrell-Yee MMA e pela tradicional Jackson-Wink MMA. Lá, ficou muito satisfeita com os "treinos mais inteligentes" que conheceu e realizou.

"Eu comparo muito com trocar de faculdade. É como se você estivesse estudando em uma faculdade e achasse que outra fosse te beneficiar mais. Você vai lá e troca de faculdade. É assim que eu sinto o que aconteceu comigo. Eu tentei fazer outros treinos nos Estados Unidos e acabei gostando muito de Albuquerque, por causa da altitude e por ter um esquema de treinamento que cuidava mais do corpo. Eles têm uma ideia de treino mais inteligente e eu gostei muito dessa metodologia. Então, fiquei em Albuqerque um bom tempo", falou.

"É uma cidade ótima para treinar. Tem a altitude, ótimos parceiros de treino, várias meninas que estão no UFC moram lá... Mas eu não me sentia feliz na vida pessoal, e acho que você precisa aproveitar sua vida pessoal também, não é só o trabalho. Eu decidi mudar para Vegas por causa disso: eu precisava ter minha vida pessoal. Estou tentando trazer minha família para morar comigo e tenho o instituto que facilita muito minha vida de atleta também", afirmou.

Gadelha tem 15 vitórias e três derrotas na carreira. Ela disputou o título da categoria palha em 2016, perdendo na decisão unânime dos juízes para a então campeã Joanna Jedrzejczyk. Em seguida, ganhou de Cortney Casey e Karolina Kowalkiewicz, antes de ser vencida por Jéssica Andrade, atual número 2 da categoria.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!