Topo

MMA


Advogados de McGregor propõem acordo, e solução do caso fica para julho

Sean M. Haffey/Getty Images/AFP
Conor McGregor se aquece antes da luta contra Floyd Mayweather Imagem: Sean M. Haffey/Getty Images/AFP

Ag. Fight

14/06/2018 11h36

Não durou quase nada a passagem de Conor McGregor pela corte criminal de Kings County, em Nova York (EUA) nesta quinta-feira (14). O ex-campeão dos penas (66 kg) e leves (70 kg) teria uma audiência por causa do caso de agressão a lutadores que estavam em um ônibus durante o 'media day' do UFC 223, em abril, mas, após menos de um minuto, o encontro acabou. Segundo o jornal britânico 'Metro', cuja reportagem esteve no local, o irlandês terá uma nova audiência em julho.

McGregor chegou ao local com seu amigo e companheiro de equipe Cian Cowley, também lutador de MMA. Cowley também foi preso na ocasião. Por meio de um comunicado lido por um representante, Conor se pronunciou logo após a audiência. "Eu me arrependo das ações que me levaram a estar aqui hoje. Entendo a seriedade do assunto e espero que tudo seja resolvido em breve. Obrigado a todos", declarou.

A confusão que gerou o processo contra Conor aconteceu supostamente por causa de uma discussão entre Artem Lobov, parceiro do irlandês na equipe SBG, e Khabib Nurmagomedov, que faria a luta principal do evento. Alegadamente procurando o russo, McGregor chegou com um grupo de amigos aos bastidores do 'media day' e atirou um carrinho de suporte de câmera contra a janela do ônibus.

Os estilhaços dos vidros quebrados atingiram o peso-leve Michael Chiesa e o peso-mosca (57 kg) Ray Borg. Ambos acabaram excluídos do UFC 223 por recomendação médica. Lobov, por estar envolvido na confusão, também foi retirado do card.