Topo

MMA

Campeão do UFC revela depressão após sequência de frustrações em 2018

Gregory Shamus/Getty Images
Imagem: Gregory Shamus/Getty Images

Ag. Fight

11/10/2018 10h59

O campeão dos pesos-penas (66 kg), Max Holloway, trilhou um caminho vitorioso até chegar ao título, emendando 12 vitórias consecutivas dentro do UFC. Mas, em 2018, o 'Abençoado' enfrentou uma série de frustrações ligadas à sua carreira, o que o conduziu para uma depressão. Conforme revelou na última quarta-feira (10), no programa 'Good Show with Ben Ennis & JD Bunkis', da emissora canadense 'SportsNet', o lutador passou por tempos difíceis este ano, sobretudo após o cancelamento de sua luta contra Brian Ortega, no UFC 226, em julho.

Na ocasião, Holloway foi retirado da luta por médicos que diagnosticaram sintomas de concussão. Depois de ser submetido a uma bateria de exames e liberado para voltar a treinar, Max finalmente encontrará Ortega novamente. Os dois estrelarão o UFC 231, que será realizado em Toronto, no Canadá. Ele lembrou o exemplo de outro atleta de alto nível, o jogador da franquia de basquete San Antonio Spurs DeMar DeRozan, para exemplificar o que aconteceu.

"Simplesmente me ajudou como pessoa, para perceber que às vezes você precisa desacelerar as coisas para colocá-las no lugar. Depois desta última, eu tive de lidar com a depressão. Eu estava falando sobre DeRozan. Ele falou sobre depressão e aquilo realmente me chocou. Ele disse que desejava que todos fossem ricos, que todos no mundo tivessem dinheiro, de modo que eles pudessem entender que dinheiro não faz você feliz", disse.

"Depressão é real, e aquilo realmente me impactou forte. Eu passei por uma fase na qual eu não conversava com ninguém, só com meu filho. Eu e meu filho fazíamos coisas, mas eu não estava falando com ninguém. Se eu quisesse falar contigo, eu ligaria para você, mas se as pessoas estivessem tentando falar comigo, eu me afastava. Eu estava nesta situação. Agora que posso falar sobre isso, posso dizer às pessoas que não é esta a maneira de fazer. A maneira de lidar com isso é falar com a sua família, com os seus amigos, estar com todos, porque você não sabe quando as coisas podem mudar. A vida muda em um piscar de olhos, então viva a vida em sua totalidade", completou.

A saída do card do UFC 226 não foi o único baque na carreira de Max este ano. Em março, ele encararia Frankie Edgar, mas se lesionou. No UFC 223, foi escalado para substituir Tony Ferguson na decisão do título peso-leve (70 kg) contra Khabib Nurmagomedov, mas a Comissão Atlética de Nova York o vetou por causa de riscos no corte de peso. Diante de todos estes problemas, Holloway aconselhou quem enfrenta a doença.

"Não tenha medo de buscar ajuda. Depressão é real. É louco. E todos estes caras, nós, atletas, continuamos pensando que somos super-heróis. Gosto de pensar que sou um super-herói, mas super-heróis às vezes têm de lutar com seus demônios também", finalizou.

O UFC 231, que terá Max Holloway vs Brian Ortega na luta principal, conta também com três importantes combates: a decisão do título feminino vago dos moscas (57 kg), entre Valentina Shevchenko e Joanna Jedrzejczyk, o duelo meio-pesado (93 kg) entre Jimi Manuwa e Thiago 'Marreta' e o confronto peso-palha que coloca frente a frente Cláudia Gadelha e Nina Ansaroff.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!