Topo

MMA

Pantoja compara UFC Buenos Aires à Bombonera e comenta futuro de categoria

Reprodução/Facebook
Alexandre Pantoja e José Aldo Junior Imagem: Reprodução/Facebook

Gaspar Bruno, no Rio de Janeiro

Ag. Fight

17/11/2018 08h00

Um dos brasileiros presentes no UFC Buenos Aires, neste sábado (17), Alexandre Pantoja ainda não sabe como será a estreia da organização na Argentina, mas conhecendo a força da torcida no futebol, disse esperar que a energia da Arena Parque Roca seja semelhante à da 'Bombonera', estádio de futebol do Boca Juniors, principal clube do país. Em entrevista à Ag Fight, o lutador ainda comentou sobre a probabilidade de extinção da divisão em que compete, a dos pesos-moscas (57 kg), e destacou que, caso o rumor se concretize, ele não terá problemas em subir de categoria.

Fazer parte de eventos em locais estreantes não é novidade para Pantoja, já que o carioca também integrou, em maio deste ano, o card de outro país sul-americano que nunca havia promovido um show do Ultimate: o Chile. Na ocasião, o brasileiro derrotou Brandon Moreno e alcançou a sua terceira vitória na organização, resultado que ele projeta repetir em Buenos Aires.

"Estou muito contente de fazer parte deste primeiro evento aqui na Argentina, como fiz parte também do evento no Chile. Foi uma energia muito boa. Acredito que será como La Bombonera e terá uma energia muito grande, muito forte. Espero dar um grande show para todos argentinos que possam ver esse evento e buscar ter mais eventos aqui também", contou Pantoja, em declaração à Ag. Fight.

O lutador brasileiro ainda comentou sobre os rumores de que a divisão dos moscas poderia ser encerrada após T.J. Dillashaw disputar o cinturão de Henry Cejudo, no dia 26 de janeiro do próximo ano. A informação ainda não é oficial, mas muitos lutadores já se pronunciaram sobre o assunto e o trataram como certo, incluindo o próprio desafiante ao título e alguns lutadores da categoria que foram dispensados pelo Ultimate, como Jose Torres, Jarred Brooks e Justin Scoggins. No entanto, Pantoja destacou que lutará nos galos (61 kg) se for necessário.

"Pelo o que eu sei, o UFC não se pronunciou diretamente, seja através das mídias ou por intermédio do meu empresário. Não sei se eles soltaram isso na mídia para ver o retorno do que iria acontecer, ou se realmente vai se concretizar após a luta do Henry Cejudo e do T.J. Dillashaw. Mas, quando eu soube da notícia, que vi em alguns canais da mídia, apesar de não ser oficial, me chocou saber que poderia acabar uma divisão em que lutei tanto para chegar no UFC. Seria ruim não só para quem luta no UFC, como também para muitos lutadores que buscam chegar na maior organização do mundo", ressaltou.

"Eu esperaria o UFC se pronunciar, mas eu não teria problema de subir . Eu iria para o peso-galo e, com certeza, faria muito barulho nessa divisão, me sentiria mais hidratado do que muitos lutadores que precisam perder muito peso, e, talvez, isso seja um ponto positivo para mim. A gente vê o campeão da categoria, TJ Dillashaw, que não é um cara que é tão pesado, então não vejo que teria muito problema nisso. Não é a minha categoria ideal, mas, se for preciso, não terei problemas", completou.

Aos 28 anos, Pantoja enfrentará o japonês Yuta Sasaki no UFC Buenos Aires e irá em busca da quarta vitória em cinco lutas no Ultimate. Ao comentar o combate, o brasileiro ressaltou que o seu objetivo será manter o duelo em pé, uma vez que o oponente, especialista no jiu-jitsu, vai tentar levá-lo ao solo.

"Eu sempre gosto de manter a luta em pé, acho mais atrativo para os fãs esse tipo de luta. E é mais o meu estilo mesmo, gosto do muay thai, da luta franca, mas acredito que o Sasaki não vai querer manter a luta em pé comigo. Depois que ele sentir meus golpes vai querer mudar um pouco o jogo, mas eu estarei pronto para fazer chão também, Porém, isso não será uma dificuldade para mim", concluiu.

Ao longo da carreira profissional como lutador de MMA, Alexandre Pantoja acumulou 19 triunfos e apenas três derrotas. Já Yuta Sasaki somou, até então, 21 vitórias, cinco reveses e dois empates em seu cartel nas artes marciais mistas.