Topo

MMA

Adversário diz que enfrentar Anderson Silva "vale mais do que título"

Simon Watts/Getty Images
Israel Adesanya enfrentará Anderson Silva Imagem: Simon Watts/Getty Images

Ag. Fight

27/11/2018 07h00

Uma vez no UFC, o principal objetivo de um atleta jovem e promissor é conquistar o cinturão da maior liga de MMA do mundo, correto? Não necessariamente. Para Israel Adesanya, sensação dos pesos-médios (84 kg), recentemente escalado para enfrentar Anderson Silva no card de número 234 do Ultimate, enfrentar 'Spider', seu ídolo, significa mais para ele do que ser campeão mundial.

Em participação no programa 'The MMA Hour' dessa segunda-feira (26), 'The Last Stylebender' comparou sua situação à de outro esporte. Para ele, essa luta será como se LeBron James, principal craque da atual geração da NBA, tivesse o privilégio de enfrentar Michael Jordan, maior jogador de todos os tempos, nas quadras de basquete. O nigeriano ainda exaltou os feitos de 'Spider' para justificar o combate, visto que o brasileiro não ocupa mais nenhum posto do ranking da categoria até 84 kg, desde que foi retirado para cumprir suspensão por doping.

"Vou te dizer agora: isso significa mais para mim que a m... do título mundial. Isso significa o mundo para mim. O UFC 90 foi quando assisti minha primeira luta ao vivo, e agora posso enfrentar o cara a que assisti por tanto tempo. É como se o Lebron James pudesse enfrentar o Michael Jordan, sabe? Essa luta significa mais para mim do que qualquer cinturão brilhante. O benefício dessa luta para mim? Ele nem é ranqueado. Estou aceitando uma luta com um cara que não é ranqueado na divisão dos médios, então eu posso perder meu lugar, mas f... o ranking no final das contas, porque ele continua sendo o Anderson Silva, queira vocês gostem ou não", revelou a promessa do Ultimate.

"Ele amassou o Bisping naquela luta, com aquela joelhada voadora no fim do terceiro round. Ele continua sendo um cara perigoso. Ele é o cara que nocauteou Vitor Belfort com um chute bem na cara. Ele continua sábio. E ele é um cara que, dentre todos os outros, é o que provavelmente mais vai mexer comigo. Porque nós somos do mesmo clã, o clã da grandeza, o jeito que nos movemos é diferente do resto. Ele é o 'Spider', fez o que fez, mas sei que vou vencê-lo, sei que tenho que vencê-lo e também sei como, mas não estou superestimando nem subestimando. Só tenho que ir lá e fazer meu trabalho. Não é porque sou fã dele que irei para cumprimentá-lo. Não vai ser assim: entrarei para matar ele, destruí-lo. Posso sentir a sensação do pós-luta, depois que encerrarei o combate. Nossa, é tão real . Não sei como estarei depois da luta, se estarei machucado, destruído, mas tenho que fazer o que tenho que fazer. Essa é a história, é o 'Matrix', vamos nessa", analisou Israel, em uma comparação que fez algumas vezes na entrevista, com o personagem Neo, do filme citado, que tinha o destino traçado.

Além do confronto entre Israel e Silva, o UFC 234, que será sediado em Melbourne (AUS) no dia 9 de fevereiro, já conta com a luta principal oficializada. Kelvin Gastelum e Robert Whittaker, atual campeão, enfrentam-se pelo cinturão dos médios - mesma divisão do combate entre a promessa nigeriana e o veterano brasileiro. Na opinião de Adesanya, com todos esses ingredientes, o card do Ultimate do outro lado do mundo será um sucesso de vendas.

"Olha, Anderson Silva é o melhor de todos os tempos, acho que ele nunca se afastou muito do Brasil e da América, ele gosta de lutar perto de casa. E para ele vir do outro lado do mundo para a Austrália, sei que o UFC ofereceria de tudo para ele. Ele já está indo para o fim da carreira, tem dinheiro e talvez não queira enfrentar caras como eu, que possam 'matá-lo', lutadores que podem fazê-lo sair machucado. Ele poderia escolher um caminho mais fácil. Mas eu sei que ele ainda é um cara que quer se desafiar a todo tempo. Essa é a minha luta no final das contas, mas ter Anderson Silva, ter o Robert Whittaker como campeão, e ter a mim como o novo cachorro no quintal da divisão, fazendo xixi em todos os cantos de Melbourne, será grandioso. Tenho certeza que isso vai ser vendido num estalar de dedos", projetou o nigeriano.

Israel, aos 29 anos, está invicto em sua carreira profissional no MMA, com 15 triunfos e nenhuma derrota. Já Anderson volta de um período de suspensão de quase dois anos, e já aos 43, soma 34 vitórias, oito reveses e um 'no contest' (luta sem resultado) em sua trajetória nas artes marciais mistas.