Topo

Esporte

Junior 'Cigano' desafia algozes do passado e projeta disputa de cinturão no Brasil

Felipe Paranhos, em Salvador (BA)

Ag. Fight

30/11/2018 08h00

Ex-campeão do UFC, Junior 'Cigano' não esquece dos únicos três rivais que já o superaram na organização: Cain Velasquez, Alistair Overeem e Stipe Miocic. Em entrevista à reportagem da Ag. Fight, o catarinense revelou que ainda espera fazer revanches contra eles e que planeja uma nova disputa de cinturão - desta vez no Brasil. No entanto, a sua prioridade agora é o duelo contra a promessa Tai Tuivasa, que ocorrerá no próximo sábado (1º), na Austrália.

'Cigano' conquistou o cinturão dos pesos-pesados quando o seu próximo adversário ainda nem havia lutado profissionalmente no MMA. Na ocasião, em novembro de 2011, o brasileiro estava invicto na organização, embalado por oito vitórias consecutivas. No entanto, no ano seguinte, ele viu Cain Velasquez - de quem havia tomado o título - bate-lo e recuperar o posto de campeão. E, desde então, não conseguiu mais firmar uma sequência de vitórias.

Após perder o cinturão, o catarinense ainda teve duas oportunidades como desafiante ao titulo. Na primeira delas, em 2013, 'Cigano' foi novamente superado por Cain, em combate que encerrou a trilogia entre os dois ex-campeões. Quatro anos depois, teve uma nova chance de chegar ao topo da categoria, desta vez contra Stipe Miocic, mas o americano de origem croata o nocauteou no primeiro round.

"Esses caras que acabaram tendo resultado positivo em alguma luta contra mim, se eles acham que o negócio está acabado, estão muito enganados. É só o começo. Se está acabado, está acabado para eles. Então, eles que saiam fora. Se querem ficar aqui, terão que me enfrentar de novo, e estou com muita vontade de esclarecer as coisas. A gente acaba cometendo alguns erros na preparação ou na estratégia, acho que cometi esses tipos de erros em algumas lutas, que acabaram me rendendo um resultado negativo, como foi com o Miocic, mas o objetivo é esclarecer essa situação. Os caras vencem e ficam felizes demais, mas não é assim", contou o ex-campeão dos pesados.

"Uma vitória não é o fim da situação, eu tenho algumas lutas para esclarecer, como o Miocic, o Velasquez, que está voltando agora depois de ter sumido, não sei o que aconteceu com o cara, mas parece que vai voltar agora. E o Overeem, que teve uma performance boa, lutou bem, e pode ser uma possibilidade de luta de revanche para o futuro", completou, para então revelar um desejo antigo: "Tenho uma vontade muito grande de lutar no Brasil. Desde que entrei no UFC, eu nunca fiz uma luta no Brasil, mas tenho uma vontade enorme de poder lutar para a minha galera, minha esposa... Deve acabar acontecendo em algum momento, acredito que possa ser até pelo cinturão no futuro", projetou.

Agendado para lutar no evento do próximo final de semana, contra Tuivasa, o brasileiro destacou os perigos de enfrentar o jovem australiano de apenas 25 anos e invicto em seus oito combates no MMA. Apesar de ainda pouco conhecido, 'Bam Bam' conseguiu uma importante vitória em seu último combate, em junho, quando superou o ex-campeão dos pesados, Andrei Arlovski. Ainda assim, o catarinense destacou que poderá ser mais criterioso daqui para frente na seleção dos oponentes.

"Isso de eu não escolher adversário e sempre me colocar disponível para enfrentar qualquer um, o UFC acaba muitas vezes me colocando em lutas como essa. Lutas duríssimas, como foi a minha última luta, e como está sendo essa. Nós lutadores, sabemos o quão duros esses adversários são e o perigo que eles representam para mim. Mas, o público em geral não sabe, eles consideram como lutadores novos e, portanto, não tão perigosos, o que não faz sentido nenhum. Acaba que não me traz a notoriedade necessária, relevante, para determinada luta", explicou.

"Então, temos pensado muito sobre isso, de aceitar qualquer luta, mas isso é uma coisa minha. Não fico apontando dedos e escolhendo adversários. Gosto de ser assim, de enfrentar qualquer um, e essa luta que terei agora será uma luta duríssima, por mais que o cara seja novo, tenha poucas lutas... Na última luta dele, ele venceu uma lenda do esporte, que é o Arlovski, então é um cara que tenho que ter bastante cuidado sim", concluiu.

Aos 34 anos, Junior 'Cigano' acumulou, até então, um cartel profissional de 19 vitórias e cinco derrotas como lutador de MMA. Diante do australiano Tai Tuivasa, o peso-pesado brasileiro terá a chance de lutar em duas oportunidades na mesma temporada, algo que não fazia desde 2013.

Mais Esporte