Topo

Esporte


Anderson Silva projeta luta contra McGregor: "Ele é melhor do que eu em pé"

Buda Mendes/Getty Images
Imagem: Buda Mendes/Getty Images

Ag. Fight

2019-01-10T13:30:32

10/01/2019 13h30

Campeão dominante do UFC por sete anos (2006 a 2013), Anderson Silva garante que não há mais nada a ser provado para ninguém. No entanto, aos 43 anos, o peso-médio (84 kg) brasileiro diz ainda ter vontade de realizar lutas que "realmente sejam importantes" para ele. E, segundo ele, um desses desafios seria contra o ex-detentor dos cinturões dos pesos-penas (66 kg) e leves (70 kg) do Ultimate Fighting Championship, Conor McGregor.

Em entrevista ao canal do YouTube 'Rap 77', Anderson destacou que Conor, "logicamente", é "muito melhor" que ele no combate em pé. Deste modo, o 'Spider' projetou que o combate contra o irlandês serviria como um teste para si mesmo, além de proporcionar um espetáculo para os fãs, já que "todos gostariam de ver" uma luta entre dois atletas tão vitoriosos no MMA quanto eles.

"Não existe mais nada a ser provado para ninguém, no meu caso. Acho que no caso dele (Conor McGregor), também não. Como é o caso de muitos atletas que fizeram história nesse esporte. O que fica é aquela vontade de você fazer lutas que realmente sejam importantes para você. Que vão agregar para você e para o seu público. E, no caso do McGregor, é uma luta que todos gostariam de ver. São dois caras que lutam bem em pé. Logicamente, ele é muito melhor que eu em pé, mas eu gostaria de me testar contra ele em pé, porque seria uma luta interessante de ver", projetou.

Porém, para o combate sair do papel será preciso que diversos ajustes sejam feitos, como a definição da categoria em que eles se enfrentariam. 'Spider' lutou a maior parte de sua carreira no limite de 84 kg dos médios. Já Conor atualmente compete com 70 kg, nos leves. Deste modo, para Anderson, 81 kg seria o peso ideal para a superluta. No entanto, o lutador paulista destaca que é Dana White, presidente do UFC, quem decidirá se o duelo sairá ou não do papel.

"É um desafio pessoal, não é uma coisa que você quer provar algo para alguém, mas é algo que você tem que provar para si mesmo, colocar à prova o quanto ele é bom em pé, o quanto eu sou bom em pé o suficiente para que a gente possa duelar e mostrar um show para o público. Então, as pessoas confundem muito algumas coisas, muitas vezes. (...) Quem controla essa situação toda é o UFC, mas acredito que seria uma luta interessante, porque se ele batesse 81 kg, seria uma superluta. E todo mundo quer ver uma superluta. E tem tudo a ver, é uma coisa que venderia, mas temos que esperar o UFC, o nosso todo-poderoso Dana White, que é o cara", ponderou.

Sem lutar desde 2017 - quando foi suspenso por um ano após flagra em exame antidoping -, Anderson volta ao octógono no dia 9 de fevereiro, contra Israel Adesanya, no UFC Melbourne. Caso ele derrote o nigeriano na Austrália, Dana White garantiu que ele terá a oportunidade de novamente disputar o cinturão dos médios da organização. Ao longo da carreira profissional no MMA, o 'Spider' acumulou, até então, 34 vitórias, oito reveses e uma luta sem resultado.

Mais Esporte