Topo

Esporte


Viviane Araujo exalta lado psicológico e pede por rival top 10 após estreia no UFC Rio

Fábio Oberlaender e Gaspar Bruno, no Rio de Janeiro (RJ)

Ag. Fight

17/05/2019 06h00

Conseguir uma vitória por nocaute sendo escalada para uma luta com apenas três dias de antecedência e ainda por cima fora da sua divisão de peso original parece ser algo improvável, certo? Não para Viviane Araujo. Foi exatamente nessas circunstâncias que a brasileira surpreendeu Talita Bernardo, sua adversária no UFC 237, e deu seu cartão de visita no Ultimate.

E para alcançar tal façanha, a peso-palha (52 kg) de origem - que se aventurou nos pesos-galos (61 kg) no último sábado (11) -, conta com uma preparação psicológica especializada. De acordo com 'Vivi', como é conhecida, o lado mental fez toda a diferença em seu debute diante do público carioca presente na Jenessue Arena.

"Meu psicológico estava bem preparado, bem forte. Venho trabalhando isso há muito tempo com minha psicóloga esportiva. E o peso físico não interferiu lá dentro do octógono. Eu confiei na minha mão pesada, tenho uma mão pesada para a minha categoria. E vi agora que acima de duas categorias também é pesada (risos)", declarou 'Vivi', antes de minimizar o fato de ter sido escalada às vésperas do duelo.

"Tenho trabalhado bastante meu foco com técnicas da psicologia esportiva. Então entrei ali bem tranquila, com foco só na luta e na vitória. Já esperava (dominar a luta). Até porque meu camp começou desde o início do ano, não começou só agora três dias antes da luta. A gente vem esperando esse chamado do UFC faz tempo, e por isso vim treinando muito a parte psicológica e física. E quando o chamado veio, estávamos bem preparados", completou a brasileira, durante 'scrum' que contou com a presença da reportagem da Ag Fight.

Apesar de ter 'tapado um buraco' na divisão até 61 kg em sua estreia, Araujo garantiu que retornará para sua categoria de origem já em seu próximo combate na organização. A brasileira ainda aproveitou para pedir uma adversária ranqueada em seguida e provocou, com bom humor, as atletas até 52 kg.

"Sim, (vou retornar aos palhas). A minha categoria é o peso-palha, é onde me sinto confortável. Então meninas do peso-palha: Se cuidem porque a Vivi está chegando para arrebentar. Como me chamaram há tão pouco tempo para lutar, não pensei nisso de ranking ainda. Mas como me chamaram para lutar contra uma top 15 dos galos e eu sou do palha. Acho que talvez possa enfrentar uma top 10 dos palhas em seguida", concluiu Araujo.

O cinturão da categoria de Viviane pertence hoje à Jessica 'Bate-Estaca'. A brasileira conquistou o título na luta principal do UFC Rio após nocautear a então campeã da divisão Rose Namajunas com o golpe que gerou seu apelido.

Mais Esporte