Como enterro de rei e orgia na Tailândia influenciaram título do Leicester

  • Laurence Griffiths/Getty Images

A conquista do título inglês pelo Leicester City está no topo das páginas dos principais jornais britânicos com manchetes que falam em "sonho impossível" ou "o triunfo que não deveria ter acontecido". Este foi o primeiro título nos 132 anos de história do clube.

A verdade é que o Leicester City passou por uma metamorfose que pode ser explicada por momentos que vão muito além do jogo e dos gols.

Essa história começa quando, em março do ano passado, o Leicester estava a caminho do rebaixamento.

Na mesma época, a cidade ganhou os holofotes da mídia, mas por outra razão: o sepultamento dos restos mortais do rei Ricardo 3º na catedral de Leicester, 530 anos após a violenta morte do monarca em uma batalha.

Sua ossada tinha sido encontrada depois de escavações em um estacionamento na cidade em 2013.

Rei derrotado

Imortalizado pela peça de Shakespeare que leva seu nome, Ricardo 3º foi um rei de grande ressonância na história da Grã-Bretanha.

Era uma espécie de "vilão", que chegou ao poder através de tramas e eliminação de rivais - e que ficou famoso por ter perdido a famosa Batalha de Bosworth, em 1485.

Seja como for, muitos na cidade ligam a meteórica ascensão da equipe nessa época - que, com sete vitórias nos últimos nove jogos, escapou do rebaixamento na temporada passada - ao fato de a cidade ter permitido que o monarca finalmente descansasse de forma digna.

Desde então, o espírito de Ricardo 3º parece acompanhar o sucesso do time. E também parece que o futebol e o rei estão por trás do aumento no turismo na cidade.

"Leicester agora está sendo cenário de outro tipo de história. A maior história do esporte coletivo", disse Ian Stringer, correspondente de futebol da BBC Radio Leicester.

"Há 12 meses estávamos sepultando os restos do último rei da Inglaterra morto em um campo de batalha e estávamos preocupados com nosso time de futebol", lembrou na segunda-feira o prefeito de Leicester, Peter Soulsby, comemorando o título.

"Os olhos do mundo estavam voltados para nós e sinceramente pensamos que não haveria nada melhor nem maior", disse Soulsby sobre o funeral de Ricardo 3º.

"Mas há (algo melhor). Não acredito em milagres, mas isto é o mais perto (que chegamos) de um", afirmou o prefeito.

Escândalo

No entanto, não foi apenas o funeral do rei que está sendo apontado como possível razão para o sucesso do time nesta temporada.

Com Ricardo 3º já devidamente sepultado e o time salvo do rebaixamento, as "raposas" (como o time é conhecido), fizeram uma viagem para a Tailândia, o país dos proprietários do clube, para disputar alguns amistosos.

O que devia ser uma viagem agradável acabou em escândalo. Um vídeo mostrou três jogadores do time - James Pearson, Tom Hopper e Adam Smith - em uma orgia com prostitutas em Bangcoc.

Uma delas foi alvo de insultos racistas por parte dos jogadores, segundo as imagens divulgadas.

Os jogadores foram demitidos, assim como o técnico, Nigel Pearson, pai de um dos jogadores envolvidos.

A inesperada saída do técnico levou o Leicester City a contratar o italiano Claudio Ranieri.

O italiano não trabalhava na Inglaterra desde 2004 quando foi demitido do Chelsea.

Apesar de ter passado por clubes de peso, Ranieri estava longe de ser visto como um dos grandes técnicos da atualidade - seu único título tinha sido a Copa do Rei na Espanha, com o Valência.

Além disso, estava sem trabalhar havia oito meses depois de ser despedido da seleção da Grécia.

Reforços

O italiano de 64 anos chegou ao Leicester City com o objetivo de garantir a permanência do time na categoria mais alta do futebol inglês.

Para isso, gastou US$ 30 milhões em reforços, uma cifra muito pequena se comparada com a de clubes famosos e ricos como Manchester City, Chelsea ou Manchester United.

O principal símbolo dessa temporada é o goleador de 29 anos Jamie Vardy. Ele escapou de ser expulso do time depois de aparecer em outro vídeo usando um insulto racista contra um homem japonês em um cassino.

Ele pediu desculpas pelo incidente e o clube encerrou o assunto com uma multa. Vardy agradeceu com uma temporada espetacular.

O jogador foi descartado pelo Sheffield Wednesday aos 16 anos por ser jovem demais. Foi mudando de clube, até ser comprado do Fleetwood Town, em 2012, pelo Leicester City, por US$ 1,4 milhão.

Nesta temporada vitoriosa, ele fez 15 gols em 16 jogos, estabeleceu um novo recorde inglês ao marcar em 11 partidas consecutivas e agora é o vice-artilheiro da Premier League, com 22 gols.

O que leva muitos a imaginarem que, se Vardy realmente tivesse sido despedido, talvez o Leicester City não tivesse sido o campeão de 2016.

UOL Cursos Online

Todos os cursos