"Cidade parou, é como se todos tivessem perdido membros da família", diz torcedor

Néli Pereira

Da BBC Brasil, em São Paulo

  • Arquivo Pessoal

    Everton Pereira (à esq.) e outros torcedores da Chapecoense

    Everton Pereira (à esq.) e outros torcedores da Chapecoense

Integrante da torcida organizada Raça Verde, o torcedor Everton Pereira há dez anos planeja as viagens que o grupo faz para acompanhar a Chapecoense.

Diante da distância - e consequentemente o alto custo - há poucos dias eles desistiram de ir a Medellín para o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. Mas se concentravam, animados, em organizar a ida a Curitiba, onde ocorreria a partida final.

"Só quem tem mais condições (financeiras) consegue ir (a locais como a Colômbia), porque é muito caro. E a gente costuma fazer as nossas viagens de ônibus, e era muito longe para chegar lá", contou ele à BBC Brasil.

A animação, porém, chegou ao fim. Pereira acordou na madrugada com uma ligação da mãe, que mora na capital paranaense, com a notícia da tragédia envolvendo o avião que levava a equipe para a cidade colombiana - até o momento, os relatos são de 71 mortos e 5 sobreviventes.

"Eu estava organizando uma viagem com 80 ônibus que iriam sair daqui de Chapecó para Curitiba para acompanhar o jogo de volta da final. E aí minha mãe me liga de lá com a notícia chocante. Eu decidi nem abrir minha empresa hoje, a cidade está muito abalada", contou ele à BBC Brasil.

O torcedor relata que Chapecó, município com pouco mais de 200 mil habitantes, parou.

"Passei no estádio antes de vir para a empresa e tem muita gente lá. A cidade parou, tem muito comércio e empresas como a minha que decidiram não abrir as portas", diz.

"Todo mundo quer ficar junto, a cidade é pequena e a gente encontra os jogadores direto, é como se todos tivessem perdido membros da família."

Pereira estava organizando um churrasco para levantar fundos para a torcida organizada e que seu último contato com o time foi com o lateral direito Gimenez, morto no acidente.

"Ele ia nos dar uma camisa autografada e viria para o evento para dar uma força, estava superanimado com a trajetória da Chape até agora, estava todo mundo empolgado."

Segundo o torcedor, todos os apoiadores do time devem se concentrar no estádio para demonstrar suporte aos jogadores que não viajaram e às famílias das vítimas.

"Todo mundo quer ficar próximo agora, se ajudar."

UOL Cursos Online

Todos os cursos