Usar avião de 17 anos 'é plenamente aceitável', diz diretor da Lamia

Ricardo Senra

Em São Paulo

  • Reprodução

    Avião da Lamia caiu na Colômbia vitimando 71 pessoas entre jornalistas e delegação da Chapecoense

    Avião da Lamia caiu na Colômbia vitimando 71 pessoas entre jornalistas e delegação da Chapecoense

Para o diretor-geral da companhia aérea boliviana Lamia, dona do avião que caiu na terça-feira em Medellín, na Colômbia, a idade da aeronave não teve influência no desastre que deixou 71 vítimas, incluindo boa parte do time e da comissão técnica da Chapecoense.

"Dezessete anos é (uma idade) plenamente aceitável", disse à BBC Brasil o boliviano Gustavo Vargas ao ser questionado sobre a aeronave produzida em 1999. "Só depois de 25 anos pode-se supor que ele (o avião) deva cair em desuso", completou.

Único avião ativo da companhia (outros dois estão em manutenção), o modelo Avro RJ-85 já transportou diversos times - incluindo as seleções da Bolívia, Argentina e Colômbia, além da própria Chapecoense, que já havia usado os serviços da Lamia em outubro.

Popular nos anos 1980 e 1990, o modelo foi produzido entre 1983 e 2002 pela empresa britânica British Aerospace com foco em pistas curtas e aeroportos com pouca infraestrutura. Ao todo, foram construídas 387 unidades.

"A razão de descontinuar foi técnica", explicou à BBC Brasil Décio Correa, presidente do Fórum Brasileiro de Aviação Civil. "A tecnologia mudou de lá para cá, o que gera um impacto econômico, porque o modelo antigo deixa de ser um negócio interessante".

Ao contrário do diretor da companhia aérea, Correa pondera que a idade do avião poderia ser um agravante para o acidente.

"Dezessete anos é bastante tempo. As peças podem se desgastar, ficam obsoletas. Não dá para comparar com um avião novo, seria colocar um iPhone e um telefone analógico lado a lado."

Mudança de planos

Originalmente a companhia aérea havia pedido uma autorização do governo brasileiro para transportar os jogadores da Chapecoense do Brasil para a Colômbia.

As autoridades brasileiras, entretanto, negaram a solicitação, argumentando que o trajeto Brasil-Colômbia não poderia ser feito por uma empresa boliviana, segundo as regras do setor aéreo nacional.

"O voo partiria do Brasil para a Colômbia, na segunda-feira, 28/11, segundo a solicitação. O pedido foi negado com base no Código Brasileiro de Aeronáutica (CBAer) e na Convenção de Chicago, que trata dos acordos de serviços aéreos entre os países."

"O acordo com a Bolívia, país originário da companhia aérea Lamia, não prevê operações como a solicitada", afirmou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em nota.

Depois do veto ao voo fretado, o time decidiu pegar um voo comercial até o aeroporto boliviano de Santa Cruz de la Sierra. De lá, embarcou no avião da Lamia rumo a Medellín.

Estavam a bordo 77 pessoas, 68 passageiros e nove tripulantes. Vinte e um eram jornalistas - do total, 71 morreram e seis sobreviveram.

O estado de saúde dos três jogadores e um jornalista brasileiros que sobreviveram ao acidente é crítico, segundo informaram médicos ao canal Sportv.

O goleiro Jackson Follmann, o lateral esquerdo Alan Ruschel, o zagueiro Hélio Neto e o jornalista Rafael Henzel estão em três hospitais nas cidades de La Ceja e Rionegro, as mais próximas do local onde o avião caiu.

A empresa

Em 2014, a Lamia foi comprada de um empresário venezuelano pelo sócio e piloto Miguel Quiroga e por um amigo, o também piloto Marco Rocha Venegas, e conseguiu licença para operar na Bolívia em julho do ano passado.

A empresa original é cercada de polêmicas. Foi criada na Venezuela em 2010 pelo empresário e suposto lobista Ricardo Albacete Vidal, com parte do financiamento vindo de empresas chinesas.

Em cinco anos, a Lamia Venezuela tentou iniciar suas operações em dois Estados do país, sempre sem sucesso.

Tanto Vidal quando o diretor Gustavo Vargas afirmam que hoje não há qualquer vínculo com a antiga Lamia venezuelana.

"Temos capital 100% boliviano", diz Vidal.

O avião Avro RJ85, que caiu perto de Medellin e deixou 71 mortos e seis feridos, era o único em funcionamento da companhia.

"Temos outros dois, que estão em manutenção e nunca foram usados", disse o diretor à reportagem.

À BBC Brasil, o dirigente diz não ter ideia sobre as causas do acidente e afirma que empresa tomava todos os cuidados.

"Já havíamos feito um voo de Santa Cruz de la Sierra até Medellin sem problemas. Nunca tivemos nenhum acidente."

UOL Cursos Online

Todos os cursos