Esporte

Sampaoli diz que se sente "refém" e quer deixar a seleção do Chile

11/01/2016 12h22

Santiago do Chile, 11 jan (EFE).- O técnico Jorge Sampaoli disse nesta segunda-feira que se sente um "refém" na seleção do Chile e manifestou o desejo de deixar o comando da equipe.

"Nesse ambiente já não quero trabalhar nem viver no país. Nunca imaginei que em tão pouco tempo se destruiria a imagem de um ídolo que tanto deu ao futebol chileno", disse o treinador argentino em entrevista divulgada pelo site "Faro Deportivo".

"Estou francamente decepcionado e, nestas condições, não posso seguir dirigindo a equipe quando tenho a mente em outro lugar", acrescentou Sampaoli, praticamente se despedindo da seleção.

Sampaoli se mostrou contrariado com o novo presidente da Associação Nacional de Futebol Profissional (ANFP), Arturo Salah, a quem acusou de mantê-lo como "refém" por não facilitar sua saída.

O técnico e o dirigente se reuniram várias vezes nos últimos dias para tentar resolver a situação. O técnico argentino tem uma cláusula de rescisão contratual de US$ 6 milhões.

Salah quer que o contrato seja respeitado, embora esteja aberto a negociar uma redução da rescisão. Já Sampaoli espera que o novo comando do futebol chileno permita que ele deixe a seleção depois de um pagamento de uma quantia mínima.

"Sinceramente pensei que Arturo Salah me entenderia e me deixaria livre. Ele mesmo viveu essa experiência e teve que deixar seu projeto (...). O cenário dos últimos meses é um motivo suficiente para que ele me libere", defendeu Sampaoli.

O técnico está chateado depois de ter sido ligado ao escândalo de corrupção na ANFP. Sergio Jadue, ex-presidente da entidade, confessou ter desviado dinheiro da venda de direitos de transmissão de competições como a Copa América e está preso nos Estados Unidos.

"Afetaram a minha honra e minha dignidade pessoal pretendendo me ligar a todos os atos de corrupção do dirigente anterior e de aproveitarem esses momentos para levarem vantagens econômicas. Isso é incrível e inaceitável", disse o técnico.

Sampaoli também explicou porque Jadue pagou uma parte de seu salário e dos prêmios recebidos no cargo em uma conta nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal, como revelou há algumas semanas a imprensa chilena.

"Há cinco anos eu ganhava US$ 3 mil. Não considera o senhor justo, então, que eu pretenda economizar depositando meus salários que protejam essa renda legítima e sobre a qual, além disso, os impostos estão regularizados por serem de responsabilidade do empregador?", questionou Sampaoli.

A sequência do técnico, que está na Suíça para participar da premiação de melhor técnico do ano da Fifa, parece insustentável no Chile. As reuniões entre Sampaoli e os dirigentes da ANFP seguem nos próximos dias para definir seu futuro.

A ANFP pretende que Sampaoli fique no comando da equipe até a próxima rodada dupla das Eliminatórias para a Copa do Mundo, em março, para ter tempo de encontrar um substituto.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo