Esporte

Sharapova pode dar "ajuda substancial" a investigadores para reduzir punição

09/03/2016 08h30

Madri, 9 mar (EFE).- Proporcionar "ajuda substancial" na investigação sobre o teste positivo para doping pode ajudar a tenista russa Maria Sharapova reduzir a punição que será imposta pela Federação Internacional (ITF), que pode chegar até um máximo de quatro anos.

Fontes da Agência Espanhola de Proteção da Saúde no Esporte (AEPSAD) indicaram à Agência Efe que, ao se tratar do meldonium, uma substância "não específica", a sanção a princípio é desse período quadrienal.

Uma substância "não específica" é aquela que não está em remédios que podem chegar a ser de uso comum.

Se Sharapova, que na segunda-feira confessou que tinha testado positivo em um controle no Aberto da Austrália, demonstrar que não tomava essa substância com a intenção de melhorar seu rendimento esportivo, a suspensão pode ser consideravelmente reduzida.

Uma vez que a ITF acordar uma sanção base, o período de suspensão pode se reduzir de duas formas, especifica a AEPSAD.

A primeira exige que a esportista prove ausência de culpa ou negligência. Sharapova admitiu sua plena responsabilidade no consumo voluntário de meldonium, embora tenha garantido que tomava por motivos de saúde e lembrou que a substância só entrou na lista de proibidas em 1º de janeiro. Segundo a tenista, ela não consultou a nova lista de proibições.

A segunda via para ver a suspensão reduzida, segundo o Código Mundial Antidoping, obriga o infrator a fazer uma confissão imediata e proporcionar "ajuda substancial" às autoridades antidoping.

A convocação de uma entrevista coletiva por parte de Sharapova antes de a ITF publicar o caso corresponderia a este desejo de ver reduzida a pena com uma confissão rápida.

Sobre a ajuda, o artigo 10.6.1 de Código diz que "uma pessoa que proporcione ajuda substancial deverá revelar totalmente mediante uma declaração escrita e assinada toda a informação que possua em relação às infrações das normas antidoping e colaborar plenamente na investigação".

O Código inclui vários exemplos de aplicação deste artigo 10. No melhor dos casos, se Sharapova demonstrar que o doping não foi intencional, partiria de uma sanção de dois anos. Se, além disso, admitir ausência de culpa ou negligência, poderia reduzir para entre um e dois anos. Por último, se a esportista oferecer ajuda substancial, o período de sanção seria diminuído ainda mais, para 1/4 do estipulado primeiramente.

A tenista, que em abril completará 29 anos, manifestou seu desejo de que a suspensão não suponha fim a sua carreira e poder voltar a competir após cumpri-la. Atualmente, Sharapova ocupa o sétimo posto do ranking da WTA.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo