Esporte

Galo atropela Colo-Colo no Horto e fica a 1 ponto das oitavas da Libertadores

16/03/2016 23h49

Belo Horizonte, 16 mar (EFE).- Com um futebol envolvente e ofensivo, com o qual se acostumou a ser visto nos últimos anos, o Atlético-MG venceu o Colo-Colo por 3 a 0 nesta quarta-feira na Arena Independência, se firmou na liderança do grupo 5 e ficou a um empate da classificação para as oitavas de final da Taça Libertadores.

Não faltaram chances de gol para o Galo, e três delas foram convertidas. Cazares e Partic balançaram a rede no primeiro tempo, e Hyuri foi o responsável por fechar o placar no bairro do Horto, em Belo Horizonte.

Na luta pelo bi continental, o time dirigido por Diego Aguirre tem agora dez pontos, três a mais que o segundo colocado da chave, o Independiente del Valle, que ontem derrotou o Melgar por 2 a 0. O Colo-Colo aparece em terceiro lugar, com cinco, enquanto o atual campeão peruano ainda não pontuou.

O Del Valle, aliás, é o próximo adversário do Atlético pela Libertadores. A partida acontecerá no dia 6 de abril no estádio Rumiñahui, na cidade equatoriana de Sangolquí.

O Galo teve três baixas no time titular, o goleiro Victor, que passou por artroscopia no joelho, o volante Leandro Donizete, que cumpriu suspensão e deu lugar a Júnior Urso, e o atacante Robinho. O camisa 7 teve uma infecção na coxa direita, começou no banco, abrindo espaço para Patric na formação inicial, e entrou apenas na parte final do confronto.

No Colo-Colo, o maior problema foi a ausência do atacante Esteban Paredes, que sofreu lesão no último encontro com o Atlético e sequer viajou com a delegação. Recuperado de problemas físicos, o zagueiro Zaldívia ficou na reserva.

Não houve tempo sequer para a torcida atleticana ficar apreensiva, já que com um minuto de bola rolando Cazares fez 1 a 0. Patric levou muito na habilidade e um pouco na sorte, o equatoriano deu belo drible na grande área e fuzilou de pé direito no cantinho para abrir o placar.

O gol deu tranquilidade ao campeão continental de 2013, que até relaxou em alguns momentos. O Colo-Colo tentou se aproveitar, Valdés carregou pelo meio e chutou de muito longe, aos seis minutos, mas mandou rente à trave direita de Giovanni.

O começo do Galo foi avassalador, e o time balançou a rede novamente aos nove, mas o lance foi corretamente anulado. Pratto foi acionado por Cazares e concluiu tirando do goleiro Villar, mas o argentino foi flagrado em impedimento.

A equipe mineira até trocava passes com certa facilidade, mas uma nova jogada de perigo aconteceu a partir de um chutão da defesa. Giovanni lançou e Luan até dominou, mas não conseguiu chutar e cedeu tiro de meta. Aos 28, sim, o camisa 27 "pegou na veia" e errou o alvo por centímetros.

Luan, como sempre, foi bastante participativo, mas nem sempre executava as tentativas como gostaria. Aos 37 minutos, o atacante cruzou fechado, mas Pratto e Cazares tiveram dificuldade e não concluíram.

Personagem que desperta amor e ódio na torcida do Atlético, Patric foi do inferno ao céu em quatro minutos. Aos 40, o meia recebeu passe açucarado de Pratto e furou feio. Quatro minutos depois, porém, ele fez o desarme dentro da área de ataque e bateu. A bola acertou o travessão e entrou, o que deixava os donos da casa com vantagem de 2 a 0.

A segunda etapa começou com polêmica. Aos nove minutos, Cazares dominou na área e, quando armou a finalização, foi travado e caiu pedindo pênalti. A arbitragem, entretanto, deixou a jogada seguir.

Sem se abater, o equatoriano voltou a dar trabalho aos 13. Ele cruzou na medida para Pratto, que cabeceou por cima. Um minuto depois, foi Patric quem serviu após linda jogada individual, com direito a drible no goleiro. Mas, com o gol a feição, o centroavante completou para fora.

Não era só Pratto quem vivia noite ruim em Belo Horizonte. Aos 21 minutos, Delgado deu bonito drible em Patric e tinha tudo para se consagrar com um golaço, mas pegou mal e errou a meta por muito.

A jogada foi isolada, e o domínio das ações era do Galo, que aumentou a vantagem aos 27. Júnior Urso descolou bonito lançamento para Hyuri, que partiu livre e chutou no alto na saída de Villar.

Com a ampla diferença no placar, o Atlético pôde apenas administrar. Houve espaço para a entrada de Robinho, antes descartado para o jogo, para lances de efeito como um chapéu de Marcos Rocha no campo de defesa, aos 37 minutos, e para gritos de "olé".

A vitória até poderia ter se transformado em goleada, mas Eduardo desperdiçou boa chance já nos acréscimos, aos 46. Marcos Rocha cruzou na medida para o jovem volante, que cabeceou para defesa de Villar.



Ficha técnica:.

Atlético-MG: Giovanni; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Erazo e Douglas Santos; Júnior Urso e Rafael Carioca; Luan (Eduardo), Cazares (Robinho) e Patric (Hyuri); Pratto. Técnico: Diego Aguirre.

Colo-Colo: Villar; Fierro, Barroso, Valdés (Reina) e Beausejour; Pavez, Baeza, Rodríguez e Araya; Tonso (Vilches) e Delgado. Técnico: José Luis Sierra.

Árbitro: Juan Soto (Venezuela), auxiliado pelos compatriotas Jorge Urrego e Elbis Gómez.

Cartões amarelos: Rafael Carioca e Luan (Atlético-MG); Barroso, Beausejour e Pavez (Colo-Colo).

Gols: Cazares, Patric e Hyuri (Atlético-MG).

Estádio: Arena Independência, em Belo Horizonte.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo