Esporte

Grupo chinês Suning adquire 70% da Inter de Milão

06/06/2016 10h46

(Atualiza com comentários de Zanetti).

Pequim, 6 jun (EFE).- O grupo chinês Suning anunciou em entrevista coletica concedida nesta segunda-feira em Nanquim, no leste da China, a aquisição de 70% da Inter de Milão por 270 milhões de euros.

A compra foi anunciada na presença dos presidentes do clube e do grupo Suning (Erick Thohir e Zhang Jingdong, respectivamente), do vice-presidente da Inter de Milão, Javier Zanetti, e do executivo-chefe Michael Bollingbroke.

A aquisição foi concretizada ao longo do fim de semana na sede central da companhia chinesa (em Nanquim). O grupo Suning começou como marca de eletrodomésticos e nos últimos anos passou a investir em negócios imobiliários e financeiros, até se tornar a terceira maior empresa privada do país.

"Estamos confiantes que a imensa influência da Inter de Milão no mundo fará da Suning uma marca muito conhecida internacionalmente", destacou o presidente da empresa após o anúncio do acordo.

Thohir, o empresário indonésio que se tornou em sócio majoritário da Inter em 2013, destacou que a operação "ajudará a desenvolver o futebol italiano globalmente" e mostra que o futebol "já não tem fronteiras".

Na opinião de Zanetti, o clube passará a ser gerido por uma empresa "competente e muito ambiciosa" e terá como objetivo voltar a se destacar no futebol europeu.

"Na próxima temporada queremos construir uma equipe forte, protagonista da Europa. Devemos voltar à Liga dos Campeões, a Inter deve estar lá sempre. Estou emocionado de estar aqui e representar meu clube neste importante momento", afirmou o ex-capitão neroazzurro.

Com 108 anos de história, 18 títulos do Campeonato Italiano e três da Liga dos Campeões, a Inter de Milão passa a ser o clube europeu mais vitorioso em mãos chinesas, duas semanas após o consórcio Recon, presidido por Tony Jiantong Xia, assumir o controle do Aston Villa por 78 milhões de euros.

Em 1978, a Inter de Milão foi um dos clubes europeus pioneiros e o primeiro italiano a disputar um amistoso na China, conforme lembrou Thohir, que prometeu que o clube repetirá essa experiência nos próximos cinco anos.

No ano passado, a ofensiva de empresas chinesas ao futebol europeu começou com a compra de 20% do Atlético de Madrid pelo gigante imobiliário e do entretenimento Wanda Group por 45 milhões de euros.

A mesma quantia seria investida meses depois pelo também chinês Rastar Group por 45,1% do Espanyol, participação que a marca espera ampliar para 56%.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo