Esporte

Convocada de última hora, Força Nacional assume segurança dos Jogos do Rio

29/07/2016 22h08

Rio de Janeiro, 29 jul (EFE).- Cerca de 3 mil policiais precisaram ser convocados de última hora para a garantir a segurança e o trabalho de revista na porta das arenas olímpicas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, após a empresa privada contratada para o serviço descumprir as exigências contratuais, informou nesta sexta-feira o ministro da Justiça, Alexandre Moraes.

A firma de vigilância Artel Recursos Humanos, contratada por R$ 17,5 milhões para realização do serviço, recrutou apenas 500 dos 3.000 agentes de segurança necessários e exigidos pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), explicou o ministro.

O descumprimento do contrato obrigou ao governo brasileiro a assumir a obrigação pela segurança e aumentar o número de agentes da Força Nacional enviados ao Rio de Janeiro para reforçar a segurança durante os Jogos Olímpicos, que serão abertos na próxima sexta-feira.

"A empresa contratada infelizmente não cumpriu os deveres contratuais e será multada e sancionada", garantiu Moraes em entrevista que concedeu a jornalistas no aeroporto do Rio de Janeiro, onde recebeu cerca de 500 agentes da Força Nacional de Segurança enviados de São Paulo para os Jogos.

A empresa também teria que operar as máquinas de raio x instaladas nas portas dos estádios para ajudar na revista dos torcedores.

"O previsto era que a Força Nacional só reforçaria a segurança nos arredores das arenas olímpicas e que a empresa privada fizesse dentro dos estádios", disse Moraes,acrescentando que, diante da "irresponsabilidade" da Artel, o governo teve que convocar outros 3 mil policiais para reforçar a segurança.

Ainda segundo Moraes, a Artel foi a segunda colocada na licitação, mas a vencedora exigiu um valor superior aos R$ 21 milhões fixados pelo governo. A terceira colocada na concorrência chegou a ser procurada mas, por ter descumprido o contrato nos Jogos de Londres, em 2012, também foi descartada.

"É importante que o COI revise essa exigência. É a segunda vez que as empresas contratadas para fazer a revista dos torcedores nas arenas olímpicas descumpre o contrato. Primeiro foi em Londres, e agora no Rio", reclamou o ministro.

De acordo com o Ministério da Defesa, o plano de segurança para os Jogos Olímpicos do Rio, que envolve 22.000 membros das Forças Armadas, sem contar policiais e outras forças de segurança, é o maior já destacado pelo país para um evento de massas.

A mobilização de forças apenas não supera em números à realizada pela China para os Jogos de Pequim em 2008.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo