Esporte

Beisebol, softbol, surfe, caratê, escalada e skate serão olímpicos em 2020

03/08/2016 20h30

Rio de Janeiro, 3 ago (EFE).- O Comitê Olímpico Internacional (COI) aprovou nesta quarta-feira a inclusão de cinco esportes no programa dos Jogos de Tóquio, em 2020: beisebol/softbol, surfe, escalada esportiva, caratê e skate.

Embora o beisebol (1992-2008) e o softbol (1996-2008) já tenham sido esportes olímpicos, os demais são completamente novos no megaevento.

A mudança transformará Tóquio 2020 nos Jogos "mais inovadores da história", disse o presidente do Comitê Organizador da próxima edição, Yoshiro Mori.

A falta de garantias sobre a presença dos jogadores das grandes ligas americanas no futuro torneio olímpico de beisebol é a principal sombra que paira sobre a reformulação aprovada nesta quarta-feira no Rio de Janeiro.

O italiano Franco Carraro, presidente da Comissão do COI para o Programa Olímpico, disse que "a única forma de contar com os melhores atletas de beisebol do mundo é a interrupção das atividades por parte da federação internacional e das organizações profissionais durante os Jogos".

Um acordo foi costurado entre "todas as ligas, exceto a dos EUA" e, por causa disso, "não se sabe com certeza se os atletas que atuam lá poderão estar em Tóquio", declarou Carraro, que disse ver o futuro do esporte nos Jogos sob risco caso não se encontre uma saída.

A dúvida sobre a presença dos melhores jogadores suscitou um intenso debate na assembleia do COI. O norte-coreano Ung Chang lembrou o que considera "péssimas experiências" anteriores e fez referência às ausências no estreante golfe nos Jogos do Rio: "Tinham nos prometido o Tiger Woods", lamentou.

Carraro ainda teceu críticas aos golfistas que tomaram a decisão "ridícula" de não participar dos Jogos do Rio por causa do vírus da zika, ressaltando que se tratava de uma opinião pessoal. "Nem todos os atletas entendem a importância dos Jogos Olímpicos", comentou.

A admissão do novo bloco de esportes vai representar a incorporação de 18 provas de medalha e de mais 474 competidores. Mas a mudança tem um alcance limitado: ainda não está garantido que entrarão no programa dos Jogos de 2024, cuja sede ainda não foi definida.

Segundo a Agenda 2020 de reforma do COI que a organização aprovou em 2014, cada cidade-sede dos Jogos pode propor a admissão de novas provas para a edição que organizará. Tóquio escolheu os cinco esportes aprovados hoje após um processo de seleção entre dezenas de modalidades candidatas.

A cidade que organizar os Jogos de 2024 (Roma, Budapeste, Los Angeles e Paris são as candidatas) poderá escolher os mesmos esportes ou outros que se encaixem em seus planos. "O decidido hoje não é vinculativo para as futuras edições", lembrou o presidente do COI, Thomas Bach.

A chegada de novos atletas não prejudicará outras modalidades, das quais nenhum participante será excluído para a inclusão dos companheiros admitidos nesta quarta.

Após a humilhação da exclusão do programa olímpico em 2008, as federações internacionais de beisebol (disputado por homens) e softbol (mulheres) promoveram uma intensa campanha para recuperação do status. Antes separadas, as duas até mesmo se fundiram para somar forças e pedirem de forma conjunta o retorno aos Jogos.

Serão incluídos nos Jogos, ao todo, 210 mulheres e 264 homens. O desiquilíbrio numérico é resultado do tamanho maior dos elencos das seleções de beisebol quando comparadas às de softbol.

Responsável por analisar a oportunidade desta mudança, a Comissão do Programa Olímpico classificou os esportes aceitos como um "pacote equilibrado" de modalidades "tradicionais e emergentes", com foco nos jovens e populares dentro e fora do Japão.

O torneio de beisebol terá seis equipes formadas por 24 homens, enquanto o softbol terá seis equipes de 15 mulheres. Com um total de 234 atletas, este será o esporte responsável pela maior adição de competidores nos planos para os Jogos de Tóquio.

O caratê, por sua vez, terá 80 atletas em suas disputas. São quatro modalidades, cada uma com 10 homens e 10 mulheres: três categorias divididas por peso em Kumite (combate) e uma divisão única em Kata (série de movimentos).

O skate terá a disputa das modalidades street e indoor, com 20 competidores por gênero em cada uma delas. Outra novidade, a escalada esportiva somará 20 homens e 20 mulheres em provas combinadas de boulder (escalada lateral em muros ou rochas de até oito metros de altura), velocidade e abertura de vias.

Por fim, o surfe transformará em olímpicos outros 20 homens e 20 mulheres em competição de shortboard (prancha curta).

Thomas Bach explicou que a proposta de inclusão dos cinco novos esportes foi votada em bloco "para preservar a visão de conjunto" dos Jogos e não desequilibrar o programa.

Por sua vez, o diretor-executivo de Tóquio 2020, Toshiro Muto, elencou as virtudes das novas disciplinas.

"O beisebol é nosso esporte nacional. O softbol é extremamente popular aqui também. O caratê nasceu em nosso país. O skateboard se adapta perfeitamente ao perfil urbano de Tóquio. A escalada esportiva é uma novidade total nos Jogos, vai ter uma dimensão única, assim como o surfe, que também é muito popular", detalhou.

"Vamos ter cuidado para que seja minimizada a repercussão dos novos esportes em nosso orçamento. Já temos, inclusive, um acordo inicial para as sedes destas modalidades", apontou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo