Esporte

Ex-presidente da Fifa, João Havelange morre no Rio de Janeiro aos 100 anos

16/08/2016 09h33

Rio de Janeiro, 16 ago (EFE).- O ex-presidente da Fifa João Havelange, também ex-atleta olímpico, morreu nesta terça-feira, aos 100 anos, no Rio de Janeiro, depois de ter sido internado em julho no Hospital Samaritano, em Botafogo, na Zona Sul da capital do estado, por causa de uma pneumonia.

O ex-dirigente da Fifa e também do Comitê Olímpico Internacional (COI) vinha enfrentando problemas de saúde desde julho do ano passado, quando também ficou internado por complicações pulmonares.

Filho de um comerciante belga de classe alta no Rio de Janeiro, João Havelange foi atleta em diferentes modalidades (natação e polo aquático), mas ficou realmente conhecido quando tornou-se dirigente.

Primeiro, trabalhou na antiga Confederação Brasileira de Desporto (CBD), depois no COI. Em 1974, assumiu a presidência da entidade máxima do futebol mundial, a Fifa, cargo que deixou apenas em 1998, elegendo seu sucessor, o suíço Joseph Blatter.

Na Fifa, Havelange transformou o futebol em um grande negócio. Participou da organização de seis Copas do Mundo e criou Mundiais das categorias de base. Enquanto foi presidente, multiplicou o número de países que faziam parte da entidade, superando até mesmo a Organização das Nações Unidas (ONU), e ampliou a quantidade de seleções que disputam os Mundiais de 16 para 32.

Entre as novas competições criadas pelo dirigente estão os Mundiais Sub-17 e Sub-20, a Copa das Confederações e a Copa do Mundo Feminina de Futebol.

O brasileiro com raízes belgas é mundialmente reconhecido, mas também um dos dirigentes mais questionados da história, já que 2013 foi afastado do esporte por corrupção e teve que renunciar ao cargo de presidente de honra da Fifa.

Dois anos antes, Havelange também teve que deixar a vaga que ocupava no COI para não ser investigado por corrupção. Na época, ele era o mais antigo membro da entidade olímpica.

Havelange também é conhecido por sua relação com o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Ricardo Teixeira, seu ex-genro, e que foi apoiado pelo dirigente em 1989 para assumir o cargo da entidade máxima do futebol brasileiro.

Fora do âmbito esportivo, João Havelange se formou em direito. O ex-dirigente deixa uma filha, Lúcia Havelange.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo