Esporte

Após bater Rússia, Lucão admite ter sido "assombrado" por fantasma de 2012

20/08/2016 02h31

Rio de Janeiro, 19 ago (EFE).- Ao contrário da maioria dos atletas das mais diversas modalidades, que negam se lembrar de derrotas passadas ao reencontrar um algoz, o central Lucão admitiu nesta sexta-feira que durante a vitória sobre a Rússia pelas semifinais dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro se lembrou da derrota na decisão de Londres 2012.

"Pensei nisso um pouquinho quando estava 5 a 1 para a gente e eles empataram em 7 a 7. Eu pensei 'este terceiro set desgraçado de novo não!'. Mas desta vez a gente conseguiu fazer uma boa sequência com o Wallace, abriu bastante e manteve isso até o fim", declarou Lucão na zona mista do Maracanãzinho.

Na final olímpica do vôlei há quatro anos, o Brasil vencia a Rússia por 2 sets a 0, mas sofreu uma dura virada. O principal responsável foi o central Dmitriy Muserskiy, de 2m18 de altura e que a partir do terceiro set foi improvisado como oposto na ocasião. Lucão é um dos quatro jogadores brasileiros que estiveram em quadra nas duas ocasiões, assim como o líbero Serginho, o levantador Bruninho e o oposto Wallace.

"A gente estava com a medalha praticamente no peito e eles a arrancaram. Ainda bem que não tinha o Muserskiy para nos atrapalhar hoje", disse, entre risos.

Mais experiente do grupo dirigido pelo técnico Bernardinho, Serginho negou qualquer sentimento de revanche e preferiu destacar a boa atuação da equipe da casa.

"O que a gente tem de pensar é que muita gente neste grupo merece e que vai ter pela frente uma Itália motivada. E jogando em casa, a gente tem de mandar, como foi hoje, impondo o ritmo", declarou o camisa 10.

No próximo domingo, Brasil e Itália repetirão a decisão dos Jogos de Atenas, em 2004. Na ocasião, o time sul-americano levou a melhor, e Serginho é o único remanescente daquela conquista.

"São jogadores diferentes, e é um outro voleibol. Hoje eles estão jogando um outro voleibol, sacando bem e bloqueando. Esta é a arma deles contra o Brasil, é a arma que a maioria da seleções está usando contra a gente. Vamos precisar ter cabeça e sacar bem de volta, como foi hoje", considerou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo