Esporte

Rodrigo Caio ressalta superação da equipe e descarta comparações com 7 a 1

20/08/2016 23h41

Rio de Janeiro, 20 ago (EFE).- Um dos destaques da seleção brasileira que conquistou o inédito título olímpico no futebol, o zagueiro Rodrigo Caio enalteceu a superação dos jogadores após um início de competição abaixo das expectativas e negou que a medalha de ouro deste sábado tenha sido uma revanche à goleada de 7 a 1 da Alemanha nas semifinais da Copa do Mundo.

"O 7 a 1 faz parte do passado, em nenhum momento pensamos que ia ser uma revanche. Viemos com o propósito de vencer o jogo. É outro ano, outra categoria, outra geração de jogadores. Não podemos pensar em algo que já aconteceu e trazer para o presente. Focamos somente nessa competição, em fazer o nosso papel. Foi uma casualidade pegar a Alemanha na final. Mas foi um jogo histórico, e conseguimos esse titulo com muito empenho e dedicação do time", considerou.

Os empates em 0 a 0 com África do Sul e Iraque nas duas primeiras partidas do torneio geraram críticas ao desempenho da seleção, que depois marcou 13 gols em quatro jogos. De acordo com o jogador do São Paulo, a equipe se manteve confiante para conseguir a superação.

"Dependia somente de nós, mas em nenhum momento perdemos a concentração e confiamos em um propósito que a gente tinha, no trabalho que foi feito, que no momento certo as coisas aconteceriam. Passamos por uma dificuldade muito grande no começo e superamos. Chegamos na final e conseguimos fazer um belíssimo jogo criando várias oportunidades. O título é uma emoção muito grande", analisou.

O Brasil levou apenas um gol na competição inteira, para a Alemanha, na final. Para Rodrigo Caio, a defesa foi importante, mas todos os setores trabalharam em sintonia para conquistar a medalha de ouro.

"Estou muito feliz pela competição que a gente fez, conseguimos segurar bem lá atrás e com um ataque forte na frente, com muita qualidade. Isso coroou uma belíssima campanha e o título inédito, é um orgulho muito grande. Saímos satisfeitos com o que fizemos e tenho certeza que a torcida também", afirmou.

O zagueiro também enalteceu o estilo de jogo treinado pelo técnico Rogério Micale, que visava pressionar a saida de bola alemã e utilizava uma linha defensiva mais à frente. Segundo o jogador, os integrantes da geração campeã olímpica provaram que a tática pode ser adotada futuramente na seleção principal.

"Pela qualidade dos jogadores que temos nessa geração, é possível fazer isso, é um time muito compacto. É difícil jogar numa linha alta, é difícil marcar pressão em 90 minutos, e hoje mostramos isso. Em nenhum momento deixamos a Alemanha ter sequência no jogo, ser favorecida pelo toque de bola, pressionamos. Isso fez com que a gente saísse campeão", declarou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo