Esporte

Com 3 de Messi, Barça goleia City "trapalhão" e mantém 100% na Champions

19/10/2016 19h08

Barcelona, 19 out (EFE).- Com três gols de Lionel Messi aproveitando um festival de trapalhadas da defesa adversária e um de Neymar, o Barcelona bateu nesta quarta-feira o Manchester City por 4 a 0, impondo a maior derrota do clube inglês desde a chegada de Josep Guardiola, e manteve os 100% de aproveitamento e a liderança isolada do grupo C da Liga dos Campeões.

Contra o melhor ataque do mundo, qualquer equívoco pode ser fatal, fato comprovado pelo craque no duelo disputado no Camp Nou. No primeiro gol, Fernandinho escorregou e impediu que a bola encontrasse o argentino. Na etapa final, Claudio Bravo foi expulso em uma lambança histórica, facilitando a vitória catalã. Perto do fim, Ilkay Gündogan recuou errado, colocando Luis Suárez em condições de encontrar o companheiro para mais um 'hat-trick'.

Messi ainda teve chance de marcar o quarto. Aos 40 minutos, o argentino fez fila na zaga e foi derrubado na área, mas deixou Neymar cobrar - e o camisa 11 desperdiçou. Três minutos depois, porém, o brasileiro se recuperou e fechou a goleada.

Com o resultado, o Barcelona manteve os 100% de aproveitamento e se isolou na ponta do grupo C, com nove pontos. Apesar da derrota, o City continua na segunda posição, com quatro pontos.

No outro jogo da chave, o Borussia Mönchengladbach venceu o Celtic, fora de casa, por 2 a 0, com gols de Lars Stindl e André Hanh, assumindo a terceira colocação, com três pontos, e deixando o time escocês na lanterna do grupo, com apenas um.

Apesar das várias contratações para a nova temporada, Luis Enrique segue tendo problemas na lateral-direita. Para o clássico, decidiu improvisar Javier Mascherano no setor. O que ele não esperava era ter problemas do outro lado do campo. Jordi Alba sentiu uma lesão aos 9 minutos e precisou ser substituído por Lucas Digne.

Pelo lado dos 'Citizens', Guardiola fez algumas mudanças em relação ao time que empatou com o Everton no último sábado. Kevin de Bruyne, um dos principais nomes da equipe desde a chegada do técnico, voltou ao comando do ataque, deixando o companheiro Sergio Agüero, por opção técnica, no banco de reservas.

Correspondendo à expectativa pela característica dos dois treinadores, os minutos iniciais da partida foram marcados pela disputa pela posse de bola. Os donos da casa, no entanto, executavam melhor a pressão sobre a saída do adversário e abriram o placar utilizando exatamente a estratégia consagrada por Guardiola.

Aos 16 minutos, Messi recebeu em profundidade após desarme de Mascherano na intermediária do ataque, levou a bola até a área e tocou para Iniesta. A devolução saiu prensada, mas Fernandinho escorregou no lance e não conseguiu cortar. Ligado na jogada, o argentino, então, recebeu na marca do pênalti e só teve o trabalho de driblar o ex-companheiro Claudio Bravo para marcar.

O goleiro chileno, porém, impediu que o Barcelona ampliasse a vantagem aos 30 minutos. Neymar recebeu lançamento nas costas de Pablo Zabaleta, mas Bravo, esperto, saiu rápido do gol e corajosamente travou a bola nos pés do atacante brasileiro, que tentou por cobertura.

Os problemas de Luis Enrique no setor defensivo se agravaram aos 30 minutos do primeiro tempo. Depois de Alba, foi a vez de Gerard Piqué sentir dores. O zagueiro, no entanto, seguiu no campo mancando, um fator aproveitado pelo City para mostrar alguma reação no jogo.

Primeiro, aos 36, David Silva lançou Nolito pela esquerda. O espanhol invadiu a área e chutou cruzado, obrigando Marc Ter Stegen a fazer grande defesa. Na sequência, foi a vez de Ilkay Gündogan aparecer livre na área. O volante alemão bateu firme, mas o compatriota estava inteiro no lance e impediu o empate.

Com Piqué longe das melhores condições, Luis Enrique foi obrigado a mexer mais uma vez no time aos 38 minutos, colocando Jérémy Mathieu.

Apesar da pressão do City, o Barcelona respondeu quase perto do intervalo. Aos 45 minutos, Luis Suárez, sumido até então, recebeu de Messi e bateu rápido para o gol. Bravo defendeu de forma estranha com os pés, colocando a bola para cima, mas ainda na direção do gol. O chileno, porém, se levantou rápido e tocou para escanteio.

Contratado a pedido de Guardiola por saber sair jogando com os pés, Bravo protagonizou uma trapalhada nunca antes cometida por seu criticado antecessor, Joe Hart. Aos 9 minutos, o goleiro saiu da área para cortar uma bola dividida, mas acabou tocando em cima de Suárez. Com o gol livre, o uruguaio tentou por cobertura. Ainda fora da área, Bravo cortou com as mãos e foi expulso.

O técnico espanhol do City foi obrigado a sacrificar Nolito para a entrada de Pablo Caballero no gol, mas ainda perdeu outro jogador no lance que originou a jogada. Pablo Zabaleta levou uma pancada em uma dividida com Digne e foi substituído por Gael Clichy, improvisado no setor.

A lambança de Bravo não passaria impune. Com mais espaços para atacar, o Barcelona pressionou o adversário e ampliou oito minutos depois da expulsão. Messi recebeu livre da entrada da área, limpou a marcação e chutou rasteiro no canto esquerdo, no contrapé de Caballero, que esperava uma finalização no lado oposto.

Pelo outro lado do campo, a opção do Barcelona por manter Ter Stegen e permitir a saída de Bravo após a última temporada se mostrava cada vez mais acertada. Mesmo com um jogador a menos, o City teve sua melhor chance no jogo aos 19 minutos, quando De Bruyne foi lançado livre nas costas de Mathieu. O belga invadiu a área pela direita e chutou cruzado, mas parou no goleiro alemão.

Os donos da casa mataram qualquer esboço de reação do City na sequência, aos 23 minutos. Sem espaço no meio-campo, Gündogan tentou recomeçar a jogada com Stones. O recuo, porém, saiu errado e serviu como um passe para Suárez, que invadiu a área e rolou rasteiro para a chegada de Messi, que tocou livre e marcou o terceiro no jogo.

O craque argentino ainda teve chance de marcar o quarto. Aos 40 minutos, Messi fez fila na defesa do City e foi derrubado por Kolarov. Neymar foi presenteado pelo companheiro, partiu para a cobrança, mas chutou fraco nas mãos de Caballero.

O brasileiro, no entanto, se recuperou na sequência. Três minutos depois, Neymar recebeu livre na área e tocou no canto esquerdo, sem chances de defesa para o goleiro argentino.



Ficha técnica:.

Barcelona: Ter Stegen; Mascherano, Piqué (Mathieu), Umtiti e Alba (Digne); Busquets, Iniesta (Gomes) e Rakitic; Messi, Neymar e Suárez. Técnico: Luis Enrique.

Manchester City: Bravo (Caballero); Zabaleta, Stones, Otamendi e Kolarov; Gündogan, Fernandinho, David Silva, Sterling e Nolito; De Bruyne. Técnico: Josep Guardiola.

Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia), auxiliado pelos compatriotas Milovan Ristic e Dalibor Djurdjevic.

Cartões Amarelos: Fernandinho, David Silva e Sterling (Manchester City); Mathieu (Barcelona).

Cartões Vermelhos: Bravo (Manchester City); Mathieu (Barcelona).

Gols: Messi (3x) e Neymar (Barcelona).

Estádio: Camp Nou, em Barcelona (Espanha).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo