Esporte

Liga de Futebol Profissional da França terá mulher na presidência pela 1ª vez

11/11/2016 16h47

Paris, 11 nov (EFE).- A consultora Nathalie Boy De La Tour, de 48 anos, se tornou nesta sexta-feira a primeira mulher a presidir a Liga de Futebol Profissional da França (LFP) e passa a ocupar um cargo que estava vago desde o começo de outubro.

A inesperada escolha de Nathalie, que terá mandato de quatro anos, acontece depois de ter dado errado a primeira opção proposta por vários clubes, o ex-técnico Raymond Domenech.

A Liga de Futebol Profissional, responsável pelas duas primeiras divisões do Campeonato Francês, tinha cúpula interina desde maio de 2016. A situação se agravou no mês passado, quando os 40 clubes não chegaram a um acordo na reeleição do conselho de administração por divergências na divisão dos direitos televisivos.

"Estou surpresa. Agradeço a união demonstrada pelos clubes e a família do futebol por me dar confiança. Temos desafios importantes diante de nós. O futebol profissional deve encontrar a confiança e a coesão", destacou a nova presidente, que era integrante do Conselho de Administração da LFP desde 2013.

A relação de Nathalie, diplomada em uma escola de comércio, com o futebol profissional é recente. Em 2004, ela organizou um salão do futebol em Paris, no qual entrou em contato com a modalidade, e posteriormente colaborou com a Federação Francesa de Futebol (FFF).

A escolha da dirigente tem como objetivo fechar as feridas na organização que administra as ligas profissionais francesas. Os grandes da primeira, com Paris Saint-Germain, Lyon, Olympique de Marselha e Monaco à frente, e os pequenos, entre eles Rennes e Lorient, estão em uma guerra declarada pelos direitos televisivos, a principal fonte de renda dos clubes.

Na França, esses direitos televisivos estão em torno de 750 milhões de euros, muito longe do campeonato inglês (cerca de 2 bilhões de euros) e do espanhol (1,3 bi), além de estar atrás também da Alemanha (1,1 bi) e Itália (940 milhões de euros).

Os defensores de uma nova divisão querem que esta seja mais equitativa. No sistema vigente na França, se o primeiro classificado embolsar, por exemplo, 100 milhões de euros, o último receberá apenas 28 milhões. Os clubes pequenos querem que esse número suba para entre 50 milhões e 66 milhões de euros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo