Esporte

Juventus bate Sevilla fora e vai às oitavas; Lyon vence em Zagreb e respira

22/11/2016 20h52

(Acrescenta próximo duelo da Juventus no último parágrafo)



Sevilha (Espanha), 22 nov (EFE).- O Sevilla se classificava antecipadamente para as oitavas de final da Liga dos Campeões no duelo desta terça-feira contra a Juventus até os 40 minutos do segundo tempo, quando, para incredulidade de sua torcida, que fazia grande festa no estádio Ramón Sánchez Pizjuan, sofreu um gol que provocou a virada do time italiano e abriu caminho para a situação inversa: foi a 'Velha Senhora' que saiu de campo com a vaga garantida, graças a uma maiúscula vitória por 3 a 1.

A Juventus chegou a 11 pontos na liderança do grupo H, contra 10 do time espanhol, e não pode mais ser alcançada pelo terceiro colocado, o Lyon, que também hoje levou a melhor em sua partida contra o Dínamo de Zagreb por 1 a 0, na Croácia, e agora tem 7. Além disso, a equipe francesa alimenta a esperança de conseguir daqui a duas semanas, na última rodada, a segunda vaga da chave em confronto direto com o próprio Sevilla - e com a vantagem de jogar em casa.

O duelo de Sevilha foi disputado em alta velocidade desde os instantes iniciais. Aos 19 minutos do primeiro tempo, o zagueiro espanhol Nico Pareja acertou um belo chute e abriu o placar. A equipe de Turim buscou o empate aos 47 da etapa inicial, com o meia italiano Claudio Marchisio convertendo penalidade máxima, e no segundo tempo conseguiu a virada aos 40 minutos, com um belo chute de fora da área. Aos 48, decretou o resultado final por obra de Mandzukic.

O Sevilla ficou boa parte do confronto com um homem a menos em campo, devido ao cartão vermelho mostrado para o atacante argentino Franco Vázquez, aos 36 minutos do primeiro tempo. Já na segunda etapa, foi a vez do técnico argentino Jorge Sampaoli ser expulso, por reclamações.

Nas escalações para a partida de hoje, os dois técnicos tiveram que superar problemas físicos de atletas. O meia francês Samir Nasri ficou fora até do banco de reservas, por causa de problemas musculares, no Sevilla. Já na Juve, o zagueiro italiano Giorgio Chiellini, recém-recuperado de lesão, começou como opção.

Três brasileiros começaram em campo. O lateral-direito Mariano foi titular da equipe espanhola, que teve Paulo Henrique Ganso como suplente, sem ser utilizado. Pela Juve, Daniel Alves e Alex Sandro jogaram os 90 minutos, e o goleiro Neto e o meia Hernanes ficaram no banco.

Desde o início do duelo, os donos da casa pressionaram em busca do primeiro gol. Aos 9 minutos, após cobrança de escanteio da esquerda, Pareja pegou a sobra, emendou de primeira e estufou as redes da equipe de Turim.

Com o rival completamente desnorteado, o Sevilla seguiu dominando a partida no Ramón Sánchez Pizjuan. Aos 17, Escudero recebeu na intermediária, avançou sem ser incomodado e soltou a bomba, por cima da meta defendida pelo veterano Buffon.

Aos poucos, a Juve entrou no jogo e começou a agredir os donos da casa. Aos 34, Cuadrado fez boa jogada pela direita e cruzou para a entrada da área, e achou Khedira, que encheu o pé e ficou perto de igualar o marcador.

A situação para o Sevilla ficou mais complicada aos 36 minutos, quando Vázquez fez falta dura em Khedira e foi expulso pouco depois de ter recebido o primeiro cartão amarelo, deixando os anfitriões com um homem a menos em campo.

Já nos acréscimos, após lance confuso na área, Mercado empurrou Bonucci após cobrança de escanteio, que foi flagrada pelo árbitro Mark Clattenburg. Embora o goleiro Sergio Rico tenha ido bem e quase defendido a cobrança, Marchisio estufou as redes e deixou tudo igual.

No segundo tempo, mesmo com a inferioridade numérica de jogadores, o Sevilla foi para cima da Juventus. Aos 9 minutos, Sarabia, que substituiu Vietto no intervalo, cobrou escanteio na cabeça de Rami, que ficou muito perto de acertar o gol dos visitantes.

Logo depois do lance, o técnico argentino Jorge Sampaoli foi expulso por Mark Clattenburg, tanto por seguidas reclamações da arbitragem como por ultrapassar o espaço restrito para os comandantes darem orientações aos jogadores.

E a saída de Sampaoli da lateral do campo - mas não de cena, já que acompanhou o resto do duelo das arquibancadas - foi a senha que elevou o nervosismo dos anfitriões.

Fria, a Juventus não perdoou os espaços deixados no gramado com a expulsão de Vásquez e o abalo emocional do adversário, e passou a pressionar no ataque, ainda que arriscando à distância. Aos 16, Pjanic disparou de longe um chute rasteiro que Sergio Rico teve que defender em dois tempos. Aos 34, também de fora da área, Cuadrado mandou por cima do gol. Mas seis minutos depois, Bonnucci soltou uma bomba de canhota que Rico não conseguiu impedir de acertar a rede.

Desordenado, e com Sampaoli mostrando desolação, o Sevilla se lançou em busca de um novo empate, mas a Juventus deu o tiro de misericórdia aos 48 em lance individual de Mandzukic que culminou com um chute rasteiro e colocado, e a bola novamente dentro do gol.

Um dos destaques da partida foi a utilização, pela Juventus, do atacante italiano e de origem marfinesa Moise Kean, de 16 anos. Ele entrou no segundo tempo, pouco antes do gol de Bonnucci, e se tornou o primeiro nascido no ano 2000 a disputar um jogo de Liga dos Campeões.

Já em Zagreb, com gol de Lacazette, o Lyon bateu o Dínamo por 1 a 0 e conseguiu sair da quinta e penúltima rodada do grupo com possibilidades de ir às oitavas.

Os donos da casa contaram com o volante Jonas, ex-Flamengo, a partir do segundo tempo, e o time francês teve o lateral Rafael, revelado pelo Fluminense e ex-Manchester United, como titular.

Para se classificar às oitavas, o Lyon terá que vencer o Sevilla em casa, por dois gols de diferença, no próximo dia 7. Desta forma, chegará a 10 pontos, assim como a equipe espanhola, mas levará vantagem no primeiro critério de desempate, o do confronto direto, já que perdeu em Sevilha, na segunda rodada, por 1 a 0.

Por sua vez, a Juventus, que quer assegurar a primeira posição, vai receber o Dínamo Zagreb e cumprirá a missão mesmo se perder - desde que o Sevilla consiga, no máximo, um empate.



Ficha técnica:.

Sevilla: Sergio Rico; Rami, Pareja e Mercado; Mariano (Kranevitter), Vitolo, N'Zonzi, Iborra e Escudero; Vázquez e Vietto (Sarabia). Técnico: Jorge Sampaoli.

Juventus: Buffon; Daniel Alves, Bonucci, Rugani e Evra (Sturaro); Khedira, Marchisio, Cuadrado (Chiellini), Pjanic (Kean) e Alex Sandro; Mandzukic. Técnico: Massimiliano Allegri.

Árbitro: Mark Clattenburg (Inglaterra), auxiliado pelos compatriotas Jake Collin e Simon Bennett.

Gols: Pareja (Sevilla); Marchisio (Juventus).

Cartões amarelos: Vázquez, Mercado, Iborra (Sevilla); Mandzukic, Khedira, Cuadrado e Evra (Juventus).

Cartão vermelho: Vázquez (Sevilla).

Estádio: Ramón Sánchez Pizjuán, em Sevilha (Espanha).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo