Esporte

Bolt apresenta "I am Bolt", filme sobre o caminho até o triplo-triplo no Rio

28/11/2016 16h27

Londres, 28 nov (EFE).- O jamaicano Usain Bolt, o maior velocista de todos os tempos, apresentou nesta segunda-feira em Londres "I am Bolt" ("Eu sou Bolt"), o documentário sobre sua vida, que narra o árduo caminho rumo à histórica conquista do triplo-triplo concluída nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Sorridente e visivelmente relaxado, Bolt explicou em um luxuoso hotel da capital britânica, onde há quatro anos conquistou três das nove medalhas de ouro olímpicas da carreira, as razões que o levaram a contar em um filme autobiográfico as "complicadas experiências" que viveu até a última edição do megaevento.

"Queria contar a verdade, competir neste nível e ganhar medalhas não é fácil. As pessoas imaginam que, para mim, é simples, que não tenho estresse nem pressão. Eu queria era que as pessoas vissem tudo o que tive que passar para estar onde estou agora: a dor, o esforço e as recompensas. Mostrar a todos o caminho até as vitórias", confessou.

Vestido com uma calça jeans surrada e uma camiseta preta da patrocinadora, a figura mais carismática do atletismo, hoje com 30 anos, compareceu à entrevista coletiva de apresentação junto aos irmãos Benjamin e Gabe Turner, diretores e produtores do filme.

"I am Bolt", que narra o caminho de Bolt de jovem a profissional e detalha os obstáculos que teve que superar para estar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, estreia nesta segunda-feira no mundo todo de forma simultânea em cinemas, DVD e Blu-Ray.

"Foi uma filmagem muito divertida, embora também bastante difícil. Ele está acostumado à pressão, mas nós não, e a sentimos muito nessas últimas corridas. Se ele não tivesse vencido, o filme não teria sido tão especial. Usain é uma pessoa muito autêntica, que nos ensina a sermos nós mesmos", relatou Benjamin Turner.

"Queríamos contar sua história, contar algo que inspirasse futuras gerações. Sabíamos que faríamos algo que o fizesse contente e ele nos deixou filmar em situações nas quais, normalmente, não há câmeras", expressou Gabe.

O documentário, que demorou dois anos para ser feito, gira em torno da saga de Bolt ao tão desejado triplo-triplo, a conquista de três medalhas de ouro nos 100 metros, nos 200 metros e no revezamento 4x100 metros em três Jogos Olímpicos consecutivos, o que nenhum outro velocista na história tinha conseguido.

O documentário, de uma hora e 47 minutos de duração, também foca em aspectos da vida do jamaicano, como a infância no colégio de Trelawny, a cidade natal, os vínculos com os pais e amigos e a relação com a equipe: o treinador, Glenn Mills; o melhor amigo e representante, Nugent Walker, e o agente, Ricky Simms.

"Quando vi o filme, senti de novo todas essas emoções, me ajudou a reviver o que passei. Benjamin e Gabe capturaram os momentos como eu queria. O filme ajuda a mostrar que sou uma pessoa transparente, que age como é", analisou Bolt.

No filme, o jamaicano relata o tortuoso caminho até a recuperação da lesão no tornozelo que sofreu em uma noite de festa no início do ano, a perda da paixão pela competição, sua relação com o rival Justin Gatlin e as dúvidas antes do Mundial de Pequim em 2015.

O documentário conta com algumas participações de destaque, como Neymar e Pelé, a tenista Serena Williams, o ex-atleta Sebastian Coe, os velocistas Yohan Blake e Asafa Powell, além dos cantores jamaicanos Ziggy Marley e Chronixx.

Desde sua primeira grande vitória, com 15 anos, no Mundial Sub-20 de Kingston em 2002, considerado por ele o "triunfo mais importante", até as três medalhas de ouro no Rio, passando pelas noites de festa desenfreada na Jamaica e as recorrentes lesões, Bolt se abre diante das câmeras e mostra uma vida normal, "como a de qualquer pessoa".

"Se continuar a competir é pelos torcedores, pelas pessoas que nunca me viram correr, e quero dar a oportunidade de para que elas façam isso. Agora concorro sem pressão, estou muito mais relaxado. Mas vou continuar trabalhando duro, estarei preparado para ganhar", afirmou o velocista, que ressaltou a vontade de se aposentar depois do Mundial de Londres em 2017.

"Estou feliz e emocionado de estar aqui, em uma cidade tão especial. Conheço a energia de Londres e quero disputar o Mundial aqui. Acho que é um bom lugar para me aposentar", concluiu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo