Esporte

IML de Bogotá conclui identificação dos 71 mortos em acidente aéreo

01/12/2016 15h41

Bogotá, 1 dez (EFE).- O Instituto Médico Legal (IML) da Colômbia anunciou nesta quinta-feira que concluiu a identificação dos 71 mortos no acidente do avião que transportava a delegação da Chapecoense, além de jornalistas e convidados, para Medellín e caiu na madrugada da última terça.

"O relatório final de todos os processos de autópsias e identificação das vítimas do desastre aéreo terminou por volta das 3h da manhã de hoje (6h de Brasília)", declarou em entrevista coletiva diretor do IML, Carlos Eduardo Valdés, que afirmou que as causas das mortes foram "politraumatismos ósseos e viscerais" em função da queda e da desaceleração do avião.

A aeronave Avro Regional Jet 85, da companhia boliviana Lamia, colidiu contra a montanha El Gordo, próxima à cidade de La Unión, no departamento de Antioquia, no noroeste da Colômbia, quando se aproximava do aeroporto de Medellín.

Do total de 71 mortos, 64 são brasileiros que viajavam como passageiros. As demais vítimas são cinco bolivianos, um venezuelano e um paraguaio que faziam parte da tripulação.

Valdés informou que os corpos começaram a ser entregues aos órgãos responsáveis às 5h locais de hoje (8h em Brasília).

"Assim que os corpos foram entregues, a Prefeitura de Medellín e o governo de Antioquia disponibilizaram toda a logística necessária para que, em coordenação com as embaixadas, os corpos sejam transportados aos seus locais de origem hoje", esclareceu.

O presidente da Comissão Nacional de Médicos de Futebol do Brasil, Jorge Pagura, afirmou, em Medellín, que 15 corpos já foram enviados para funerárias. Terminada a preparação, eles seriam colocados nos aviões para voltar ao Brasil.

Segundo Pagura, os seis sobreviventes - três jogadores da Chapecoense, um jornalista e dois membros da tripulação - estão sendo "muito bem atendidos". Agora, as autoridades querem colocá-los em um único hospital até que eles se recuperem de todas as lesões sofridas.

"Passando a fase da emergência, existem outras cirurgias que não são urgentes. Por isso que, à medida do possível, vamos levá-los todos ao Brasil", explicou Pagura.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo