Esporte

Cérebro de esportista é 10% mais rápido sob pressão, aponta estudo

03/12/2016 09h17

Madri, 3 dez (EFE).- O cérebro de um esportista pode reagir 10% mais rápido em situações de pressão do que o de uma pessoa que não pratica esporte, segundo um estudo da University College de Londres que submeteu esportistas e não esportistas a diversos testes.

O estudo ao qual a Agência Efe teve acesso, realizado pelo professor Vincent Walsh do Instituto de Neurociência Cognitiva da universidade londrina, consistiu em um teste de percepção e outro de memória em esportistas profissionais e não esportistas, que ao mesmo tempo eram submetidos à visualização de uma série de imagens preparadas para criar estresse de forma proposital.

Neste trabalho participaram o piloto de motociclismo John McGuiness, o surfista Andrew Cotton, o piloto de automobilismo Colin Turkington, o patinador Peter Connolly, o escalador Louis Parkinson e o piloto de Fórmula 3 e Le Mans Oliver Webb; junto a um grupo de seis pessoas que não eram esportistas profissionais.

O resultado foi que os esportistas responderam 10% mais rápido e que sua memória respondia com uma precisão de 20% mais a respeito àqueles que não eram esportistas profissionais, devido a sua maior capacidade para enfrentar situações de risco ou intensas em nível emocional.

"Em geral, os esportistas foram mais precisos nas provas de memória depois da exposição a estímulos negativos, enquanto os não esportistas foram distraídos por esses estímulos. O rendimento dos não esportistas caiu quanto à velocidade de memória ao enfrentar adversidades e situações emocionalmente intensas; enquanto as respostas dos esportistas foram melhorando", explicou o professor Walsh.

O pesquisador da universidade londrina qualificou como "fascinante" a maneira de pensar destes esportistas na hora de responder a desafios em condições elevadas de pressão, onde tomar uma decisão ou outra pode "fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso".

"Desde pequeno me preparei para competir nas corridas, em um ambiente de risco e perigo, e acredito que isso ficou dentro do meu cérebro", apontou o piloto de automobilismo Colin Turkington.

"O povo desde fora pensará que estamos loucos, mas o risco é calculado", acrescentou o motociclista John McGuiness.

A distinta percepção do medo, do perigo e do fracasso são alguns fatores fundamentais para os não esportistas participantes do estudo, patrocinado pela marca de pneus Dunlop. "Acredito que os atletas não sentem o medo da mesma maneira que nós", afirmou Lou, uma mulher que participou o teste como um dos seis não esportistas. EFE

mam/ff

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo