Topo

Esporte

Governo da Bolívia nega vínculos com diretor-geral da Lamia

03/12/2016 16h55

La Paz, 3 dez (EFE).- O ministro da presidência da Bolívia, Juan Ramón Quintana, desmentiu neste sábado que o governo tenha relação com o diretor-geral da Lamia, a companhia aérea do país responsável pelo voo que caiu na Colômbia provocando a morte de 71 pessoas, entre elas jogadores, membros da comissão técnica e dirigentes da Chapecoense, além de jornalistas brasileiros.

O diretor-geral da Lamia, Gustavo Vargas Gamboa, foi piloto do avião presidencial boliviano entre 2001 e 2007, período que abrange dois anos do primeiro mandato do atual líder do país, Evo Morales.

"Queremos assinalar de maneira categórica que aqui não há nenhum tipo de relação com o governo com a famosa empresa", disse Quintana.

O ministro informou que Vargas, general retirado da Força Aérea da Bolívia, começou a pilotar o avião presidencial durante o mandato do ex-presidente Hugo Banzer, em 2001. Depois, seguiu no cargo nos governos de Jorge Quiroga, Gonzalo Sánchez de Lozada, Carlos Mesa e Eduardo Rodríguez Veltzé.

Ele pediu a aposentadoria em 2007, no segundo ano da gestão de Moraléz, disse o ministro, e, desde então, teve apenas "algum contato esporádico" com o presidente.

"Não existe mais nenhum outro vínculo com o general Vargas. Portanto, quero negar qualquer tipo de relação que pretendam atribuir (ao governo)", reiterou Quintana.

O ministro disse que a Promotoria e uma comissão de investigação comandada pelo Ministério de Obras Públicas, responsável pelo tráfego aéreo, devem descobrir o vínculo entre o general reformado e o diretor de registro nacional da Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC), Gustavo Vargas Villegas.

"Me chama atenção que o seja o filho do general Vargas o responsável de entregar as licenças. Me pergunto se houve tráfico de influência", questionou o ministro, em tom irônico.

Quintana também repetiu as declarações do próprio Morales, que ontem disse que não sabia que a Lamia era uma companhia aérea autorizada a operar pelo governo da Colômbia.

No entanto, horas depois das afirmações, a imprensa local revelou 15 dias antes, o presidente e o ministro tinham viajado no mesmo avião que caiu com a delegação da Chapecoense em Medellín.

"Não fomos em algum momento informados pela DGAC em relação à outorga de uma licença para o funcionamento de uma linha comercial com essa empresa", reforçou o ministro da presidência.

Quintana explicou que ele e presidente usavam o avião para fazer uma viagem entre Rurrenbaque, no departamento de Beni, e a capital do estado, Trinidad, por causa do aniversário de Beni. Segundo o ministro, o governador de Beni tinha contratado os serviços da Lamia para deslocar os convidados da cerimônia.

"Nós poderíamos ter usado o avião que tínhamos em Rurrenabaque, um bimotor. O problema é que demoraríamos muito mais para chegar à cidade de Trinidad", afirmou.

Quintana disse que o ministro de Obras Públicas, Milton Claros, como chefe da autoridade da aviação civil do país, trabalhará com as autoridades da Colômbia e do Brasil para que não exista nenhum tipo de "encobrimento, impunidade ou suspeita de proteção".

"Temos que punir todos os responsáveis por ter cometido crimes", destacou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte