Esporte

São Silvestre deverá ter mais uma edição com domínio de atletas africanos

30/12/2016 12h38

São Paulo, 30 dez (EFE).- A Corrida de São Silvestre chegará a 92 edições neste sábado, mais uma vez com africanos entre os favoritos, promessa de duelo de atual vencedora e campeã olímpica da maratona no feminino, além de promessa de homenagem à Chapecoense em caso de vitória do melhor brasileiro de 2015.

A tradicional prova, que encerra o ano esportivo do país, terá largada às 8h40 (de Brasília), para mulheres da elite. Apenas 20 minutos depois, acontecerá a partida da prova masculina. Ao todo, mais de 30 mil atletas percorrerão os 15 quilômetros do percurso montado no centro da capital paulista.

A São Silvestre, nos últimos cinco anos vem tendo total domínio dos fundistas da África. Em 2015, o queniano Stanley Biwott e a etíope Yimer Wude Ayalew, que se sagrou bicampeã, cruzaram a linha de chegada na primeira colocação.

A última edição em que provas masculina e feminina terminaram com vitória de africanos foi em 2010, quando Marílson Gomes dos Santos levou a melhor no masculino. Pódio sem atleta do continente hegemônico dos últimos anos no topo, na distante prova de 2006, quando Frank Caldeira e Lucélia Peres ficaram com o ouro.

Para este ano, entre os homens, o principal favorito é Dawit Admasu, da Etiópia, que ficou com o título em 2014. Outro grande concorrente é William Kibor, nome de maior destaque do Quênia para este ano, seguido por Nelson Mbuya, da Tanzânia), que ganhou a Meia Maratona de Foz do Iguaçu.

No ano passado, o melhor brasileiro no masculino foi Giovanni dos Santos, que fechou a disputa na quinta colocação, com o tempo de 44min58s. Neste ano, o objetivo do campeão da Volta Internacional da Pampulha, é vencer para tornar ainda maior a homenagem que pretende fazer à Chapecoense.

"Não torcia por clube nenhum antes (da tragédia aérea). Agora, sou torcedor da Chape. Quando completar a corrida - espero que em primeiro lugar -, vou fazer uma homenagem para eles", disse o mineiro, de 35 anos.

No feminino, Wude Ayalew é grande favorita ao tri, mas terá a sombra da queniana Jemima Sumgong, que conquistou a medalha de ouro na maratona dos Jogos Olímpicos. A vencedora da prova disputada no Rio, no entanto, admitiu que correrá por fora na capital paulista.

"Prefiro correr distâncias mais longas, então a São Silvestre será mais difícil para mim do que as Olimpíadas", avaliou uma das maiores estrelas desta edição da prova.

No grupo de elite entre as mulheres, também estão a tanzaniana Failuna Matanga, campeã da Corrida de São Sebastião, no Rio de Janeiro, neste ano, a queniana Flomena Daniel, vencedora da mais recente edição da Maratona de Saitama, no Japão, e a alemã Nadine Gill.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo