Topo

Esporte

Presidente do comitê japonês depõe sobre suspeita de suborno na Tóquio-2020

Atsushi Tomura/Getty Images
Tsunekazu Takeda durante evento de Tóquio-2020 Imagem: Atsushi Tomura/Getty Images

08/02/2017 06h16

O presidente do Comitê Olímpico do Japão (COJ), Tsunekazu Takeda, revelou nesta quarta-feira que foi interrogado em Tóquio devido a investigação da Justiça da França sobre a legitimidade de uns pagamentos realizados durante a candidatura olímpica da cidade japonesa.

Promotores japoneses realizaram o interrogatório na semana passada a pedido da França, que questiona uns supostos pagamentos feitos pela organização de Tóquio-2020 ou entidades próximas a uma conta opaca, suspeitando se tratar de subornos para conseguir a escolha de Tóquio como sede olímpica.

O japonês, que presidiu o comitê da candidatura, revelou em declarações a veículos de imprensa locais que decidiu falar "com o objetivo de colaborar com a investigação da França" e que em seu testemunho defendeu a legalidade dos desembolsos, conforme determinado na investigação do JOC realizada entre maio e setembro de 2016.

A justiça francesa investiga a legalidade de vários pagamentos no valor de aproximadamente US$ 2 milhões, supostamente realizados pela organização de Tóquio 2020 ou entidades ligadas a ela, a uma conta opaca vinculada ao Comitê Olímpico Internacional (COI).

A conta beneficiada pertencia a empresa Black Tidings, em nome de Ian Tan Tong Han e vinculada a Papa Massata Diack, filho do ex-presidente da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, sigla em inglês), Lamine Diack.

Takeda já havia defendido que os desembolsos foram declarados, auditados e notificados ao COI em compensação aos serviços do trabalho realizado pela empresa de consultoria, "uma prática padrão" quando se aspira a sediar os Jogos Olímpicos.

As autoridades francesas encarregadas de crimes financeiros suspeitam, no entanto, que possa ter crimes de "corrupção e lavagem de dinheiro" nestas transações realizadas a partir de um banco japonês entre julho e outubro de 2013.

Diack, membro de Comitê Olímpico Internacional (COI) entre 1999 e 2013, renunciou em 2014 como principal dirigente da IAAF após o escândalo por haver aceitado propinas da federação russa de atletismo para encobrir os resultados positivos em teste de doping em alguns dos seus atletas.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte