Esporte

"Decisão de Luis Enrique foi aceita sem nenhum problema", diz Suárez

02/03/2017 22h56

Madri, 2 mar (EFE).- O atacante Luis Suárez afirmou nesta quinta-feira que o anúncio feito pelo técnico do Barcelona, Luis Enrique, que deixará a equipe no fim da temporada, foi aceita sem nenhum problema pelos jogadores, que, no entanto, ficaram surpresos com a decisão do treinador.

"Sim, a verdade é que surpreendeu um pouco. Não esperávamos. Mas é uma decisão que entendemos e aceitamos. É compreensível por muitas coisas que ocorreram. A justificativa dele é mais do que aceitável porque a função de técnico é muito difícil, leva muitas horas de trabalho. É preciso também aproveitar, ele é pai de família. Os filhos estão em seu melhor momento e ele quer curti-los. Aceitamos sem nenhum problema", disse Suárez à rádio "Onda Cero".

O artilheiro do Barcelona revelou que nenhum jogador perguntou ao treinador sobre os motivos da decisão. "Não, porque quando ele renovou (o contrato), ninguém perguntou porque estava renovando. Todos somos bastante crescidos para entender a situação e as decisões de cada um", disse o uruguaio.

Suárez também falou sobre o início da carreira na Europa e disse que a passagem pela Holanda, onde atuou pelo Groningen e o Ajax, foi muito positiva. "Sempre disse que a Holanda é a melhor escolha que um sul-americano pode ter para aprender e melhorar no futebol porque eles te ensinam muito. No Ajax, aprendi a chutar com a perna esquerda. Ficava treinando um tempo extra", contou.

Antes mesmo de chegar ao clube catalão e se tornar um dos maiores atacantes do futebol mundial, Suárez já sonhava em jogar com a camisa do Barcelona.

"Na segunda vez que vim a Barcelona, fomos conhecer o Camp Nou e tiramos uma foto. Vimos a loja do Barça e disse: 'tomara que algum dia possa jogar aqui'. Lembro dessas coisas com muito carinho e não me envergonho ou me arrependo de contá-las", revelou.

Sobre a situação atual do Campeonato Espanhol, Suárez disse que o Barcelona é caracterizado pela luta até o último minuto. A equipe catalã chegou a ficar bastante longe do Real Madrid, mas ultrapassou o rival e agora lidera o torneio com um ponto de vantagem. Os merengues, porém, tem um jogo a menos.

"Há pessoas que disseram que o Barça dava a Liga como perdida e é o contrário. Nós sempre acreditamos. Todas as declarações eram nesse sentido. Claro que dependíamos que o Real Madrid perdesse pontos. Ocorreram os resultados, o Real Madrid perdeu pontos e nós ganhamos. Agora dependemos de nós mesmos", afirmou o artilheiro, alegando que os rivais estão sentindo a pressão.

"Como nós também sentimos no ano anterior. No ano passado, tínhamos 11 pontos de vantagem e terminamos com somente três. A Liga é assim, há sequências que a equipe joga bem, mas perde, ou que não ocorrem as coisas e é difícil encontrar soluções. Passamos por isso. Mas o Real é grande e vai lutar até o final, assim como nós, o Sevilla e o Atlético", completou Suárez.

O atacante também acredita que o Barcelona pode se classificar na Liga dos Campeões após a goleada sofrida para o Paris Saint-Germain, por 4 a 0, no jogo de ida das oitavas de final.

"Quem não acredita não pode jogar futebol. Nós acreditamos na equipe. Por mais que seja difícil, não é impossível. Nosso objetivo é a virada, mas o PSG está na 'Champions' e é candidato ao título. Se fizermos dois gols antes do fim do primeiro tempo, no entanto, eles podem começar a ficar nervosos", analisou o craque.

"Estamos convencidos (na virada), temos uma equipe que é incrível. Se essa equipe quer fazer história, quer ficar na história do futebol e do Barcelona, tem que entrar com a ambição de virar essa partida", completou.

O uruguaio também falou sobre a boa relação com Lionel Messi e Neymar, de quem muitos duvidavam no início. "Cada um tem sua forma de ser, mas a verdade é que nos damos muito bem. Compartilhamos as coisas dentro do vestiário e conversamos. Também rimos muito, porque Neymar é um menino muito alegre, ri de tudo e nos contagia. Ninguém tem ciúmes de ninguém", contou o artilheiro.

Suárez disse também que vê Messi como um "companheiro a mais".

"Eu também passava muito tempo com o Maxi Rodríguez no Liverpool. O que ocorre aqui é que Messi chama mais atenção, mas, para mim, ele é um companheiro a mais. É óbvio que, futebolisticamente, ele é o melhor e será o melhor de toda a história, mas, como companheiro, é um ser humano espetacular. Me tratou muito bem desde que eu cheguei e serei sempre grato por isso", disse.

O atacante ainda mostrou mágoa pela punição da Fifa pela mordida que deu no zagueiro italiano Giorgio Chiellini na Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

"Poderiam punir, suspender, mas me proibir de ir a um centro esportivo para ver, por exemplo, um treino do meu sobrinho, uma partida de alguém... Essa proibição foi a coisa mais injusta que vivi. Não a entendia, para nada. Que me suspendessem por 10, 15, 20 partidas, mas tratar como me trataram me doeu muito", lamentou.

"Sou consciente de que me equivoquei, mas também de que sou um ser humano. Eles têm que entender, se colocar na pela de outra pessoa e saber o que fazem. Nem fui ao prêmio da Fifa e nem voltaria a ir. Não tenho nenhum problema em dizer que nunca irei", concluiu Suárez.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo