Topo

Esporte

Presidente da Juventus será ouvido sobre relação com a máfia no parlamento

AFP PHOTO / Angelos Tzortzinis
Andrea Agnelli, presidente da Juventus Imagem: AFP PHOTO / Angelos Tzortzinis

12/05/2017 10h42

O presidente da Juventus, Andrea Agnelli, será ouvido na Comissão Antimáfia do parlamento da Itália após ser acusado de manter contatos com grupos mafiosos infiltrados entre os torcedores do clube, informou a imprensa local nesta sexta-feira.

Agnelli foi acusado de repassar ingressos para alguns integrantes de torcida organizada que pertencem à Ndrangheta, uma das organizações mafiosas mais poderosas do país, um fato que é investigado pela Promotoria da Federação de Futebol Italiano (FIGC), que denunciou o dirigente no dia 18 de março.

O presidente da Juventus negou de forma categórica a acusação e alega que, apesar de estar periodicamente com as diversas torcidas do clube, não sabia de eventuais atividades ilícitas cometidas por parte deles.

Fontes próximas ao caso disseram à Agência Efe que a Juventus admite que houve erros no número de ingressos que eram repassados à torcida, e que está disposta a assumir a responsabilidade desses equívocos, apesar de negar todo o restante.

Dois meses depois da denúncia da Promotoria da FIGC, Agnelli será ouvido pela presidente da Comissão Antimáfia do parlamento, Rosy Bindi, para defender sua inocência e sua gestão do clube.

Caso as acusações sejam confirmadas, Agnelli será obrigado a deixar a presidência da Juventus.
 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte