Esporte

Chape vence Lanús na Argentina e fica perto da classificação na Libertadores

17/05/2017 23h56

Buenos Aires, 17 mai (EFE).- De virtual eliminada antes da rodada, a Chapecoense surpreendeu nesta quarta-feira, venceu o Lanús, fora de casa, por 2 a 1, e agora só depende de si própria para avançar às oitavas de final da Taça Libertadores.

Com uma estratégia de pressionar o adversário desde o início do primeiro tempo, a Chape abriu o placar aos 23 minutos, com gol de cabeça de Wellington Paulista. Mas o atacante foi de herói a vilão na etapa final. Aos 34, o artilheiro cortou cobrança de escanteio na área com a mão, e a arbitragem marcou pênalti. Sand cobrou com perfeição, deslocando o goleiro, e deixou tudo igual.

Quando o jogo já caminhava para o fim, aos 43, outro herói improvável apareceu. Reinaldo cobrou lateral na área, Luiz Otávio apareceu entre os zagueiros, tocou de cabeça e confirmou o triunfo.

A vitória deixa a Chapecoense em boa situação para conquistar a vaga nas oitavas de final. Os catarinenses chegaram a sete pontos, igualando o vice-líder Lanús, mas com pior saldo de gols. O Nacional, que empatou sem gols com o lanterna Zulia mais cedo, segue na primeira posição com oito pontos.

Dessa forma, basta a Chapecoense vencer o Zulia em casa na próxima terça-feira para ficar com a classificação. No mesmo dia e horário, Nacional recebe o Lanús no Parque Central e garante presença na próxima fase da competição com um empate.

Caso o Nacional vença, porém, a Chapecoense pode se classificar até com um empate contra o Zulia na Arena Condá.

O jogo começou bastante estudado, mas o Lanús ameaçou primeiro, logo aos 2 minutos. Após bola levantada na área, Aguirre levou a melhor sobre a defesa da Chape e cabeceou com perigo, obrigando Jandrei a se esticar para tocar a bola para escanteio.

O lance de perigo do adversário não intimidou a Chape. Precisando do resultado, a equipe catarinense começou a se aventurar e marcar a saída de bola dos argentinos, que não conseguiam avançar e trocavam passes no meio-campo sem objetividade. Os anfitriões, porém, também não ameaçavam o gol do adversário.

Aos poucos, o Lanús descobriu como furar o bloqueio da Chapecoense. Aos 19 minutos, Marconi escorou lançamento de cabeça para Sand, que apareceu nas costas de Apodi. O atacante invadiu a área, mas chutou muito mal. Na sequência, o mesmo Sand foi lançado em profundidade, ganhou de Luiz Otávio na corrida e só não ficou em condições de marcar porque Jandrei, como um líbero, saiu da área e fez o corte para a lateral.

Apesar das boas chances criadas pelo adversário, a Chape manteve a pressão e foi recompensada. Aos 23 minutos, Reinaldo dominou chutão dado pela zaga do Lanús e encontrou Arthur pela esquerda. O meia-atacante foi à linha de fundo e cruzou na medida para Wellington Paulista cabecear e abrir o placar.

O Lanús quase chegou ao empate seis minutos depois. Após boa troca de passes dos argentinos, Toledo recebeu dentro da área, girou, e tocou por cima de Jandrei. Luiz Antonio, esperto no lance, cortou antes de a bola se aproximar do gol e afastou o perigo.

Wellington Paulista teve a chance de ampliar aos 37 minutos. Apodi foi lançado em profundidade, ganhou da marcação e tocou para o artilheiro, que pegou de primeira da entrada da área e assustou o goleiro Andrada.

Com a vantagem no placar, a Chapecoense mudou de postura depois do intervalo. Os comandados de Vagner Mancini deixaram a marcação pressão de lado à espera de uma oportunidade para contra-atacar e matar o jogo. O Lanús, por sua vez, partiu em busca do empate, mas tinha dificuldades para penetrar na zaga do adversário.

Apesar do empenho mostrado por ambos os times, o segundo tempo seguiu sem grandes emoções até 25 minutos, quando Luiz Antonio fez falta em cima de Denis perto da área. Herrera cobrou rasteiro, buscando o canto de Jandrei, e a bola passou perto da trave.

Jandrei salvou a Chapecoense pouco depois, aos 32. Depois de bate-rebate na área, a bola sobrou para Toledo, livre, finalizar. O goleiro da Chapecoense fechou o ângulo e tocou para escanteio.

De nada adiantou. Na cobrança do escanteio, Wellington Paulista, herói do jogo até então, cortou com a mão, e o juiz marcou pênalti. Sand cobrou com perfeição, deslocou Jandrei e empatou.

Quando o empate parecia consumado, Luiz Otávio apareceu. Aos 43 minutos, Reinaldo cobrou lateral dentro da área. O zagueiro subiu mais alto que os adversários e tocou de cabeça para recolocar a Chapecoense na frente do placar.



Ficha Técnica:.

Lanús: Andrada; Gómez, Herrera (García), Braghieri e Pasquini; Marcone, Aguirre (Denis), Martínez e Silva (Toledo); Sand e Acosta. Técnico: Jorge Almirón.

Chapecoense: Jandrei; Apodi, Grolli, Luiz Otávio e Reinaldo; Luiz Antonio (Nenén), Moisés Ribeiro (Moisés Gaúcho) e João Pedro (Osman); Rossi, Arthur e Wellington Paulista. Técnico: Vagner Mancini.

Árbitro: Wilson Lamouroux (Colômbia), auxiliado pelos compatriotas Eduardo Díaz e John Alexander León.

Gols: Wellington Paulista e Luiz Otávio (Chapecoense); Sand (Lanús).

Cartões Amarelos: Pasquini e Herrera (Lanús); Moisés Ribeiro, Reinaldo e Wellington Paulista (Chapecoense).

Estádio: Néstor Días Pérez, em Lanús (Argentina).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo