Topo

Esporte

Promotoria pede prisão provisória para presidente da federação espanhola

20/07/2017 11h59

Madri, 20 jul (EFE).- A Promotoria Anticorrupção da Espanha pediu nesta quinta-feira a prisão provisória e sem fiança para o presidente da federação de futebol do país (RFEF), Ángel María Villar, e para o filho dele Gorka, ex-diretor-geral da Conmebol.

A acusação aponta que ambos causaram prejuízo de 45 milhões de euros (R$ 163,3 milhões), por isso, devem permanecer detidos, depois de terem sido alvo de operação há dois dias.

Hoje, Ángel María Villar prestou depoimento de cerca de três horas e meia perante o juiz Santiago Pedraz., da Audiência Nacional, que será o responsável por acatar ou não o pedido da Promotoria Anticorrupção.

Além de Ángel María e Gorka Villar, foram presos também Juan Padrón, ex-presidente da federação de Tenerife, e Ramón Hernández, secretário-geral da entidade territorial. Todos também prestariam depoimento nesta quinta-feira.

As acusações apontam para o cometimento dos crimes de administração desleal, apropriação indébita, corrupção, falsificação de documentos e possível ocultação de bens, todos relacionados com a organização de partidas da seleção espanhola masculina.

A investigação, segundo a Guarda Civil, foi iniciada no início de 2016, após uma denúncia formulada pelo Conselho Superior de Esportes (CSD), ligado ao Ministério dos Esportes.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte