Esporte

Avassalador no começo, Botafogo elimina mais um campeão e encara o Grêmio

10/08/2017 21h33

Rio de Janeiro, 10 ago (EFE).- Com um início de partida fulminante, o Botafogo fez valer mais uma vez o apelido de "exterminador de campeões" nesta edição da Taça Libertadores nesta quinta-feira ao derrotar o Nacional do Uruguai por 2 a 0 e se classificar para as quartas de final, em que enfrentará o Grêmio.

Pouco mais de um mês de ter vencido por 1 a 0 em Montevidéu, o Alvinegro resolveu a eliminatória com cinco minutos de partida, graças a Bruno Silva e Rodrigo Pimpão, que marcaram um gol cada. Depois disso, o time uruguaio, tricampeão da América, demonstrou pouco poder de reação e não pôde evitar se tornar mais uma vítima da equipe dirigida por Jair Ventura.

Antes, o Glorioso já havia superado Colo-Colo, na primeira fase preliminar, e Olimpia, na segunda, além de ter liderado uma chave que teve Estudiantes e Atlético Nacional, que defendia o título, eliminados.

O próximo desafio do time carioca na busca por uma taça inédita será o Grêmio, que já deu a volta olímpica duas vezes, em 1983 e 1995, e na quarta-feira deixou o Godoy Cruz pelo caminho.

O lateral-direito Arnaldo e o volante Aírton, ambos no departamento médico, foram os desfalques do Bota para o jogo desta quinta. O meia Camilo, que se transferiu para o Internacional, saiu da lista de inscritos e deu lugar ao meia-atacante chileno Léo Valencia.

No Nacional, o meio-campista Santiago Romero foi negociado recentemente com o Rosario Central, da Argentina, o que fez com que Arismendi aparecesse entre os titulares. Já o meia veterano Martín Liguera, que está lesionado, sequer embarcou para o Rio.

Nem bem a bola rolou e a torcida alvinegra já pôde fazer a festa. Aos dois minutos do primeiro tempo, João Paulo cobrou escanteio, João Paulo ficou livre na área e marcou de cabeça, proporcionando ao time anfitrião o melhor começo possível.

Sem se acomodar, o Glorioso marcou o segundo pouco depois, aos cinco minutos. O zagueiro Rogel recuou mal, sem força, Rodrigo Pimpão deu um carrinho para dividir com o goleiro Conde e fez 2 a 0, obrigando o tricampeão continental a fazer três gols.

A situação era tão tranquila que o Botafogo só foi ameaçado devido a um próprio erro. Aos 11, Gatito Fernández recolheu fora da área, demorou para afastar e perdeu para Fucile, que, contudo, ficou apenas com o lateral.

Pimpão era o retrato do bicampeão nacional na temporada. Com garra, o atacante ganhou mais uma pelo meio, aos 20 minutos, e passou para Roger, que, de primeira, ia acertando o canto, mas parou em grande intervenção de Conde.

O raçudo da vez aos 31 foi Matheus Fernandes, que roubou de Viudez e deu para Pimpão. Novamente, a bola chegou até Roger, que procurou lindo, mas foi interceptado por Polenta.

Embora seja elogiado por ser aguerrido, o Alvinegro também tem técnica e demonstrou isso aos 40. A bola foi de pé em pé na linha de frente até Victor Luis levantar da esquerda, buscando Roger, mas novamente Polenta cortou.

Nos acréscimos, aos 46, o Nacional teve tudo para diminuir, mas falhou. Viudez fez o chuveirinho, a defesa apenas olhou, e Rogel surgiu livre, mas não concluiu, permitindo que Gatito encaixasse.

Os 'Bolsos' voltaram do vestiário com Ramírez na vaga de González, e a substituição se mostrou acertada logo aos três minutos do segundo tempo. O atacante foi acionado na esquerda, levou para o meio e bateu com perigo, obrigando o goleiro a espalmar para escanteio.

O lance foi só um susto. Apesar de ter maior posse de bola, o time de Montevidéu pouco atacava com grande efetividade. Aos 14 minutos, João Paulo bateu falta, Roger resvalou e Carli brigou no meio, mas foi flagrado em impedimento.

Vez ou outra, a marcação do Botafogo bobeava, mas podia confiar em seu arqueiro. Depois de escanteio da esquerda, ninguém cortou, e Viudez encheu o pé da segunda trave. Como um goleiro de handebol, Gatito abriu os braços, parou o corpo e levou uma bola no peito, aos 23.

Os contra-ataques não eram abundantes, mas sempre levavam perigo aos visitantes. Aos 34, Guilherme esticou e Roger superou o combate de Polenta em um primeiro momento, mas o defensor se recuperou. Dois minutos depois, depois de mais um passe do atacante reserva, o camisa 9 concluiu em cima de Conde, que pegou.

Nos minutos finais, a bola pouco rolou. Os donos da casa administraram e foram bastante caçados, o que levou a três expulsões, de Polenta, Rodríguez e Aguirre, nos visitantes, e Victor Luis, pela equipe mandante.



Ficha técnica:.

Botafogo: Gatito Fernández; Luís Ricardo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luis; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Matheus Fernandes (Dudu Cearense) e João Paulo; Rodrigo Pimpão (Guilherme) e Roger (Gilson). Técnico: Jair Ventura.

Nacional: Conde; Fucile (Barcia), Rogel, Polenta e Espino; González (Silveira), Arismendi e Rodríguez; Viudez, Aguirre e Fernández (Ramírez). Técnico: Martín Lasarte.

Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia), auxiliado pelos compatriotas Wilmar Navarro e John Alexander León.

Cartões amarelos: Matheus Fernandes, João Paulo, Roger e Dudu Cearense (Botafogo); Ramírez, Silveira, Rodríguez e Arismendi (Nacional).

Cartões vermelhos: Victor Luis (Botafogo); Polenta, Rodríguez e Aguirre (Nacional).

Gols: Bruno Silva e Rodrigo Pimpão (Botafogo).

Estádio Olímpico Nílton Santos, no Rio de Janeiro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo