Esporte

Kaliningrado, o enclave russo que quer sair do isolamento com a Copa do Mundo

02/09/2017 06h00

Ignacio Ortega.

Kaliningrado (Rússia), 2 set (EFE).- O enclave russo de Kaliningrado, situado entre a Polônia e a Lituânia, dois países que integram a Otan, pretende sair do isolamento com a Copa do Mundo de 2018, já que receberá quatro partidas do torneio.

"O objetivo é criar as condições para que o mundo saiba que há um lugar no mapa que se chama Kaliningrado, que é interessante, agradável e seguro", comentou à imprensa internacional Alexandr Rolbinov, vice-presidente do governo local.

Vítima das tensões geopolíticas entre o Kremlin e a Otan, Kaliningrado não tem fronteira terrestre com o restante da Rússia e seus habitantes só podem viajar ao país por avião ou estrada, neste caso com um salvo-conduto.

Com a exceção das quatro cidades que sediaram a Copa das Confederações (Moscou, São Petersburgo, Kazan e Sochi), este enclave báltico é o que está mais antecipado nas obras de construção do estádio e nas infraestruturas adjacentes.

Com capacidade para mais de 35 mil pessoas, o Estádio de Kaliningrado se encontra em Oktiabrski, uma ilha situada no coração da cidade que teve de ser drenada porque o local era um grande pântano.

Como puderam comprovar os jornalistas que participam da excursão organizada pela Fifa pelas cidades-sedes da próxima Copa do Mundo, a grama já foi colocada e está em perfeito estado, algo que não ocorre em outros estádios que receberão as oitavas e quartas de final da competição.

Em 20 minutos, os torcedores podem chegar ao estádio andando, após atravessarem as pontes sobre os canais que unem a ilha ao restante desta cidade de 500 mil habitantes.

"Vai ser possível chegar de carro, ônibus, bicicleta, patins e cadeira de rodas", ressaltou Rolbinov. De acordo com as autoridades locais, a inauguração pode acontecer já em março do ano que vem, enquanto os outros estádios terão que esperar até maio.

Um dos motivos é o clima, já que este pequeno território banhado pelo mar Báltico tem verões suaves e chuvosos, motivo pelo qual o calor não será um problema para os jogadores.

"Se você não gosta do tempo em Kaliningrado, espere 15 minutos", conta o dito popular, em referência ao caprichoso clima báltico. Essa é uma das vantagens da cidade, já que nas outras sedes do torneio, com a exceção de São Petersburgo, as temperaturas devem beirar os 30 graus em junho.

Várias equipes, entre elas Brasil e Suécia, já inspecionaram as instalações para fazer sua concentração em Kaliningrado durante a competição.

Kaliningrado, que é visitada anualmente por mais de um milhão de pessoas, espera receber mais cem mil visitantes durante a Copa do Mundo, entre eles muitos alemães, poloneses e cidadãos dos três países bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia), independentemente das sanções e dos temores dos países vizinhos ao expansionismo russo.

Este enclave foi território alemão até o fim da Segunda Guerra Mundial, quando a União Soviética anexou o território e mudou seu nome de Königsberg pelo Kaliningrado, em homenagem ao revolucionário Mikhail Kalinin.

Foi em Königsberg que nasceu (1724), viveu e morreu (1804) o famoso filósofo alemão Immanuel Kant, cujo túmulo pode ser visitado pelos turistas junto à catedral local.

Para sair do isolamento, as autoridades de Kaliningrado explicaram que reataram os voos de Varsóvia, ao mesmo tempo que aumentaram as conexões com Berlim, Praga, São Petersburgo e Moscou.

Também é possível chegar em estrada através da Polônia - três horas de Gdansk - ou em barco pelo sul da Europa, do Reino Unido ou da Escandinávia.

O governador de Kaliningrado, Anton Alijanov, o mais jovem da Rússia aos seus 30 anos, destacou que também espera atrair muitos torcedores latinos, motivo pelo qual as agências de turismo estão preparando pacotes especiais e orientando tradutores.

Alijanov explicou que tudo se deve à profunda pegada deixada pelos chilenos na última Copa das Confederações, na qual milhares de torcedores do Chile acompanharam fielmente a equipe durante as mais de duas semanas do torneio.

Quanto a possíveis atentados terroristas, uma ameaça muito latente ultimamente em diferentes eventos esportivos, as autoridades destacaram que a frota russa do Báltico e seus caças garantem a segurança das fronteiras e dos visitantes.

A cidade, que foi praticamente varrida do mapa durante a guerra, conserva o seu passado alemão misturado com o legado soviético, ainda que as autoridades tentem recuperar agora a arquitetura típica prussiana.

Kaliningrado é famosa por ser a capital do âmbar, uma resina fóssil que se tornou a identidade do enclave e que pode ser encontrada em cada esquina. Entre os jogos, os visitantes poderão se banhar nas espetaculares praias de areia branca, algumas delas situadas no litoral compartilhado com a Lituânia.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo