Esporte

Golovkin: "Claro que quero uma revanche porque continuo sendo o campeão"

17/09/2017 05h52

Las Vegas (EUA), 16 set (EFE).- O pugilista do Cazaquistão Gennady Golovkin ficou feliz após a luta que terminou em empate na noite deste sábado no T-Mobile Arena de Las Vegas contra Canelo Álvarez, do México, e disse que entendia o drama que vive em cada luta.

"O boxe é um espetáculo de muito drama e como tal deve-se assumi-lo até o final", declarou Golovkin. "Não entro para avaliar os veredictos, luto, e agradeço todo o apoio que recebi dos fãs e especialmente dos cazaques que vieram para me ver".

Golovkin, de 35 anos, tem 19 defesas com sucesso dos seus títulos (2010-2017), sendo que desta vez foram três do peso médio, versão Federação Internacional de Boxe (FIB), Associação Mundial (AMB) e Conselho Mundial (CMB), a segunda melhor sequência na história do esporte, só superadas pelas 20 de Bernard Hopkins (1995-2005).

"A minha responsabilidade foi a de dar tudo em cada assalto e isso foi o que fiz desde que começou a luta", destacou Golovkin.

"Pressionei-o do começo ao fim e acredito que fui superior", sentenciou o pugilista.

A melhor prova dessa realidade veio do apoio dos fãs do boxe que encheram a capacidade do T-Mobile Arena, que começaram com o grito de "Canelo, Canelo, Canelo...!" e à medida que avançava a luta a mudaram para "GGG, GGG, GGG..." (como é chamado o lutador cazaque por apelido).

Perguntado se tinha vencido a luta, Golovkin com sua linguagem direta lembrou que continuava em posse de todos os cinturões.

"Continuo sendo campeão, não perdi nenhum dos cinturões e portanto nada mudou", avaliou Golovkin, que da mesma forma que Álvarez disse estar disposto à revanche.

O preparador de Golovkin, o mexicano Abel Sánchez disse não se sentir surpreso pela maneira como os fatos aconteceram dentro do ringue e com o resultado.

"Nenhuma surpresa", comentou Sánchez. "Sabíamos o quê íamos enfrentar para esta luta, que poderia ser uma guerra".

O promotor Óscar De La Hoya, dono da Golden Boy Promotions, que administra os interesses de Álvarez, afirmou que seu cliente tinha ganhado a luta.

Mas o que não pode ser explicado é como a juíza Adelaide Byrd, que trabalha em lutas desde 1997 viu Álvarez vencedor em 10 dos 12 assaltos (118-110 pontos).

O que foi muito comentado foram a possibilidade de uma revanche e o sucesso econômico da luta, com bilheteira superior a US$ 30 milhões e mais de US$ 2 milhões de venda dos direitos de transmissão para a televisão.

Os boxeadores levaram apenas US$ 8 milhões garantidos, com US$ 5 milhões para Álvarez e US$ 2 para Golovkin.

A ironia ou o insulto em torno deste dinheiro é ver que no dia 26 de agosto, pelo circo e a "farsa" protagonizada por Floyd Mayweather e Conor McGregor, o primeiro teve uma bolsa garantida de US$ 100 milhões e o segundo de US$ 35, milhões.

Ao final, a pontuação dada por Byrd fez com que uma grande luta se transformasse também em uma mancha negra no mundo de um esporte que sempre está envolvido em "suspeitas", "escândalos" e "falta de controle" por parte das próprias autoridades.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Esporte

Topo