Esporte

Brasil encerra Eliminatórias vencendo o Chile, que fica fora da Copa

10/10/2017 22h37

São Paulo, 10 out (EFE).- A seleção brasileira terminou nesta terça-feira a caminhada nas Eliminatórias para a Copa do Mundo com uma vitória por 3 a 0 sobre o Chile no estádio Allianz Parque, em São Paulo, e o resultado acabou sendo decisivo para deixar a atual bicampeã da Copa América fora do Mundial da Rússia.

Pela primeira vez na história do torneio classificatório no formato atual, com jogos de todos contra todos em turno e returno, o Brasil venceu cada um de seus concorrentes ao menos uma vez. A campanha dos pentacampeões, que soou ameaçadora no início, sob o comando de Dunga, se tornou tranquila com a chegada do técnico Tite.

Curiosamente, a seleção chilena foi a única a bater o Brasil nestas Eliminatórias - na estreia, em Santiago, por 2 a 0, em 2015.

Com o controle da partida de hoje desde o primeiro tempo, os brasileiros deslancharam apenas depois do intervalo, com dois gols em dois minutos. Paulinho abriu o placar aos nove, e Gabriel Jesus, em sua volta ao estádio do Palmeiras, aumentou a vantagem aos 11. O camisa 9 ainda marcou mais um, aos 48.

Com a vitória, a seleção encerrou as Eliminatórias com 41 pontos, como líder absoluta. Já o Chile foi sexto, com 26 pontos e saldo de gols pior que o Peru, que ficou em quinto lugar e disputará a repescagem. É a primeira vez desde 2002, quando a Colômbia ficou fora, que o atual campeão da Copa América não vai ao Mundial.

Embora já estivesse classificada, a seleção brasileira jogou com a maioria de seus titulares para esta semana Fifa. Foram apenas duas trocas em relação ao empate com a Bolívia em 0 a 0, na última quinta. Ederson recebeu uma oportunidade no gol em lugar de Alisson, e Marquinhos voltou à zaga substituindo Thiago Silva, que se machucou em La Paz.

No Chile, Juan Antonio Pizzi perdeu um de seus principais homens, o meia Vidal, suspenso. Embora tenha enfrentado problemas físicos nos últimos dias, o volante Aránguiz, ex-Internacional, foi o substituto. Além disso, Beausejour, ex-Grêmio, ganhou o lugar de Mena, do Sport, na lateral-esquerda.

'La Roja' iniciou a partida no Allianz Parque dando um susto. Logo aos dois minutos do primeiro tempo, Fuenzalida cruzou da direita, Vargas se antecipou e cabeceou para a primeira defesa de Ederson. A resposta foi dada aos seis, com Renato Augusto, que recebeu de Gabriel Jesus e bateu rente à trave.

A equipe da casa não jogava com o mesmo ímpeto de outros momentos de maior pressão, mas mesmo assim ficava mais com a bola e criava chances. Aos 16, Gabriel Jesus dominou livre e poderia ter progredido sozinho, mas preparou para Neymar. O camisa 10 chutou e Bravo defendeu com o pé.

Em boa linha de passe do ataque do Brasil, aos 28 minutos, Paulinho abriu na direita e Philippe Coutinho cruzou procurando Gabriel Jesus, mas a defesa cortou. Pouco depois, aos 30, Neymar arriscou de muito longe e errou por centímetros.

Renato Augusto e Gabriel Jesus combinaram de novo aos 38, quando o meia do Beijing Guoan fez o chuveirinho, o atacando do Manchester City tocou de cabeça, e o goleiro Bravo defendeu em dois tempos.

O segundo tempo começou com duas falhas de Bravo, e uma delas acabou sendo crucial. Aos seis minutos, Neymar cobrou falta de muito longe e o goleiro pegou com dificuldade, em dois tempo. Em seguida, aos nove, que bateu infração foi Daniel Alves, soltando uma bomba. O arqueiro soltou e Paulinho fez 1 a 0 no rebote.

Como diriam os cronistas mais antigos, "abriu a porteira". Dois minutos depois, Coutinho fez o desarme no campo de defesa, partiu em velocidade e só parou dentro da área. O meia do Liverpool rolou e, com o goleiro caído, Gabriel Jesus completou e marcou o segundo.

O Chile esteve perto de diminuir aos 13, mas a equipe pentacampeã se salvou. Puch levantou no escanteio, Sánchez emendou de primeira e errou por pouco.

Na sequência, o jogo esfriou. A seleção brasileira adminstrou a vantagem mantendo a bola no ataque, mas já sem ser tão incisiva quanto anteriormente. Uma nova investida de maior perigo aconteceu apenas ao 28 minutos, quando Coutinho puxou outro contragolpe e serviu Neymar, que bateu de pé esquerdo e acertou o lado de fora da rede.

'La Roja', que a essa altura precisava de mais um gol para ir à repescagem, não pressionava. Em mais uma cobrança de falta, Medel ganhou pelo alto, mas cabeceou para fora.

Na parte final do duelo, Tite fez experiências e trocou Neymar e Coutinho por Willian e Roberto Firmino. Os dois reservas tabelaram aos 43, e Firmino concluiu em cima de Bravo, desperdiçando ótimo ataque.

O terceiro aconteceu nos acréscimos, aos 47. Bravo foi para a área do Brasil no desespero e deixou sua meta desguarnecida. Willian deu um bico para frente, Gabriel Jesus partiu de antes do meio de campo e fez outro.



Brasil: Ederson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Alex Sandro; Casemiro, Paulinho e Renato Augusto (Fernandinho); Philippe Coutinho (Roberto Firmino), Neymar (Willian) e Gabriel Jesus. Técnico: Tite.

Chile: Bravo; Isla, Medel, Jara, Beausejour; Aránguiz (Pulgar), Hernández (Paredes), Fuenzalida (Puch) e Valdivia; Sánchez e Vargas. Técnico: Juan Antonio Pizzi.

Árbitro: Roddy Zambrano (Equador), auxiliado pelos compatriotas Christian Lescano e Byron Romero.

Cartões amarelos: Neymar e Philippe Coutinho (Brasil); Sánchez (Chile).

Gols: Paulinho e Gabriel Jesus (2x).

Estádio: Allianz Parque, em São Paulo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo