Topo

Esporte

Estrela do sumô se aposenta após assumir agressão contra outro lutador

29/11/2017 16h35

Tóquio, 29 nov (EFE).- Considerado uma das maiores estrelas do sumô, o mongol Harumafuji anunciou a aposentadoria nesta quarta-feira, após assumir que agrediu um lutador de categoria inferior quando estava alcoolizado.

O yokozuna falou à imprensa local acompanhado de seu mestre, Isegahama, ambos com lágrimas nos olhos, e "arrependidos" pelos atos do lutador.

"Eu me arrependo muito da agressão e quero assumir a responsabilidade pelos meus atos, por isso decidi me aposentar. Quero pedir desculpas por causar problemas a todas as pessoas que me apoiaram", afirmou Harumafuji.

O incidente, que foi revelado em meados de novembro, se tornou um escândalo midiático no Japão, colocando em xeque a reputação do sumô, esporte no qual os lutadores são verdadeiros ídolos e dos quais se espera uma conduta exemplar. No entanto, já ocorreram casos de corrupção, violência e drogas.

O lutador de 33 anos admitiu que agrediu o compatriota Takanoiwa, de 27, com socos e com o controle remoto de um karaokê em um estabelecimento de Tottori, no leste do Japão, no final de outubro.

A agressão, que causou uma contusão e uma fratura craniana em Takanoiwa, o obrigou a permanecer no hospital durante quatro dias e o impossibilitou de participar do Grande Torneio de Sumô de Kyushu, que terminou no último domingo.

Segundo testemunhas que estavam no bar durante o incidente, Harumafuji teria batido em Takanoiwa por não estar prestando atenção e ter usado o telefone celular enquanto o também yokozuna Hakuho o repreendia por causa de comportamento.

"Como yokozuna, acredito que devo agir para corrigir quando outro lutador de menor ranking se comporta mal, mas o que fiz não deve ser feito jamais", disse o lutador.

Harumafuji teria pedido ao seu mestre para se aposentar logo que a notícia foi divulgada pela imprensa em meados do mês, mas não fez o anúncio porque "não queria desviar o interesse do torneio que estava disputando naquele momento".

Isegahama afirmou que o yokozuna nunca tinha se mostrado violento por beber anteriormente e que é um "lutador especial", já que se ofereceu para realizar trabalhos comunitários para pagar a sua dívida, o que não o eximirá de responder à justiça.

A polícia interrogou de forma voluntária Harumafuji e outras testemunhas e encaminhará o lutador aos promotores no final do ano, sob suspeita de agressão, segundo revelaram fontes da investigação.

Harumafuji estreou como profissional em 2001 e, desde então, conquistou nove campeonatos. Em 2012, foi reconhecido como yokozuna, tornando-se o quinto combatente não japonês a alcançar esse patamar. EFE

emg/vnm

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte