Esporte

Renato vira lenda no Grêmio ao conquistar a América como jogador e treinador

30/11/2017 04h05

Fernando Czyz.

Buenos Aires, 30 nov (EFE).- Passaram 34 anos para que aquele jovem atacante histórico do Grêmio voltasse a levantar a Taça Libertadores da América: Renato Gaúcho se tornou o primeiro brasileiro a conquistar a principal competição do continente sul-americano como jogador e treinador, se igualando a outros sete nomes.

Na Argentina, onde o tricolor gaúcho derrotou o Lanús por 2 a 1, conquistando o título, o grande ídolo e goleador da primeira façanha, em 1983, se transformou em lenda e mito ao repetir em 2017 a mesma conquista, desta vez como treinador.

Desta maneira, Renato Portaluppi, de 55 anos, só esteve ausente na conquista da América em 1995 e no retorno a Porto Alegre reivindicará a estátua que pediu antes de viajar para a segunda partida da final, em Buenos Aires.

"Quantos títulos vou ter de ganhar para ter a minha estátua?", questionou o treinador, nascido em Guaporé (Rio Grande do Sul), que soube interpretar, tanto como jogador e como treinador, o espírito do clube gaúcho: primeiro a entrega, e depois o chamado "jogo bonito".

Com esta conquista, Renato Gaúcho entrou para o seleto grupo de agora oito integrantes que conseguiram vencer a Libertadores tanto como jogador e treinador, onde estão Humberto Maschio (Racing e Independiente), Roberto Ferreiro (Independiente-ARG), Luis Cubilla (Peñarol e Nacional-URU e Olimpia-PAR), Juan Martín Mujica (Nacional-URU), José Omar Pastoriza (Independiente-ARG), Nery Pumpido (River Plate e Olimpia-PAR) e Marcelo Gallardo (River Plate).

Campeão da Copa América com a seleção brasileira, em 1989, e da extinta Supercopa da Libertadores, com o Cruzeiro, em 1992 como jogador, este é o primeiro título internacional de Renato Gaúcho, após vence a Copa do Brasil com o Fluminense, em 2007, e Grêmio, no ano passado.

Fiel ao seu estilo, o treinador agora brigará pela conquista do bicampeonato mundial, nos Emirados Árabes Unidos.

Como jogador, foi o autor dos dois gols na vitória de 2 a 1 sobre o Hamburgo-ALE, em Tóquio (Japão), que valeu ao Grêmio o título do Mundial de Clubes de 1983.

Depois de 17 anos de carreira, o atacante pendurou suas chuteiras em 1999, para no ano seguinte para começar sua trajetória como treinador, onde já comandou sete clubes e coroada agora com o título da Libertadores em sua terceira passagem pelo Grêmio.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo